sábado, julho 11, 2009

15 anos de Holanda

Não sei se eu deveria rir ou chorar (mas prefiro rir). Mas hoje completam-se exatos quinze anos desde a primeira vez em que pisei meus pés em terras holandesas. Desembarquei de Dublin (onde morei 7 meses antes de vir pra cá) em Amsterdã, com alguma bagagem e muita sede de aventura. Muitas dúvidas, algumas perguntas e poucas respostas. Acima de tudo, muita vontade de conhecer o mundo e iniciar uma fase totalmente nova na minha vida.

E aventura foi o que não faltou em minha vida desde então. Posso dizer sem exageros que aqui vivi os melhores e os piores dias da minha vida. Aqui namorei, fui morar junto pela primeira vez e me casei. Aqui engravidei e tive meu bebê, aqui sofri a perda da minha mãe (que de certa forma, sofro até hoje). Aqui fui infeliz no casamento até o dia em que disse chega e escolhi a minha felicidade. Aqui também aprendi que sou muito mais forte do que eu imaginava. E é aqui que estou aprendendo a amar de novo. Aqui me encontrei e me perdi várias vezes, no sentido literal e figurado da expressão. Acima de tudo, aqui aprendi a viver um dia de cada vez. E a agradecer as benções recebidas.

Mas o detalhe mais incrível desta estória toda é a nítida sensação de ter completado um ciclo importante. Há exatos 15 anos, me despedi de F. no aeroporto de Dublin. Na época ele era casado, eu estava começando uma nova jornada e nos separamos sem nenhuma expectativa de um dia nos revermos. E assim foi que um ano depois conheci J., com quem fui morar junto, mais tarde me casei e tive um filho. Após 10 anos de casamento, muitos erros e poucos acertos, decidimos nos divorciar. Há cerca de 2 anos - por uma daquelas obras do destino - F. cruzou de novo meu caminho. Estamos juntos desde então, e hoje comemoro ao lado dele meus 15 anos de Holanda. Ciclo fechado. Coisas do destino.

6 comentários:

tanyssima disse...

Parabéns, Beth. Quando lembro daquela minha passagem tão breve por aí, e daquela biblioteca maravilhosa onde você me levou, me dá uma vontade danada de voltar. Talvez voltar pra ficar um tempo, quem sabe? Em um ano e meio sairei em licença de pós-doutorado e ainda não sei para onde. Quem sabe...
Essa sua estória de reencontro com teu ex-amor também balança a gente. Quem não teve uma estória assim, que pareceu ficar pelo meio? Eu tive. E novamente, quem sabe? Como saber o que foi mesmo concluído, o que já deu o que tinha que dar? Como saber? O negócio é seguir em frente, mas, como nunca se sabe quais curvas o caminho reserva, ou se não vamos acabar retornando ao ponto de partida, mesmo sem intenção, não é possível dizer nada conclusivo sobre o passado.
Mas vejo que você parece feliz com seu fechamento de ciclo. Isso é o que importa. Beijos

Beth Blue disse...

Querida Tânia, saudades de você e da sua rápida visita! E sim, espero um dia reencontrá-la pra trocarmos mais idéias.

Tentei postar comentários no seu blog (que descobri há pouco e pretendo visitar sempre) mas deu erro! Vou continuar tentando...

beijos

Norma Spagnuolo disse...

Olá Beth! parabéns! Acredito que tudo tem um porquê de acontecer e acontece na hora certa. Se um ciclo se fecha é porque outro se inicia, né? Então, boa sorte no novo ciclo!
Bj

tanyssima disse...

É, eu sei que tem alguma coisa errada com a área de comentários do meu blog. Vários amigos que tem conta de Google ou são blogueiros mesmo comentaram que não conseguiram comentar. Eu mesma fui responder a um comentário lá, porque não achei outra forma de contato com a pessoa, e não entrou o comentário hoje. Sei lá, deve ser um bug. Logo passa.
Agora que as aulas acabaram, tá mais fácil passar umas horinhas só na web, fuçando os blogs e outras coisas. Mesmo assim, ainda entro mais à noite e final de semana.
Seu blog ainda é um dos dois ou três preferidos. Tem tanto assunto!
beijos

Isabella disse...

WOW Beth que história incrível! Senti esperanças aqui no meu coraçãozinho. Será que vou precisar esperar mais 7 anos? : )

Adoro seus relatos!

bjs,

Anônimo disse...

Ando pela net de blog em blog, lendo e aprendendo.. porque as pessoas são muitas vezes o que escrevem e não o que aparentam. Para mim são corações sem rosto, mas ainda assim corações, que vivem e nos fazem sonhar. Sou portuguesa e estive à uns dias em Amsterdam por isso o teu blog chamou-me a atenção. Queria apenas dizer que gostei muito de ler o teu blog e que te admiro por teres tido a coragem de partir para o outro lado do oceano, sozinha, no fundo em busca de tu própria. Beijinhos da Carina

Tecnologia do Blogger.

15 anos de Holanda

Não sei se eu deveria rir ou chorar (mas prefiro rir). Mas hoje completam-se exatos quinze anos desde a primeira vez em que pisei meus pés em terras holandesas. Desembarquei de Dublin (onde morei 7 meses antes de vir pra cá) em Amsterdã, com alguma bagagem e muita sede de aventura. Muitas dúvidas, algumas perguntas e poucas respostas. Acima de tudo, muita vontade de conhecer o mundo e iniciar uma fase totalmente nova na minha vida.

E aventura foi o que não faltou em minha vida desde então. Posso dizer sem exageros que aqui vivi os melhores e os piores dias da minha vida. Aqui namorei, fui morar junto pela primeira vez e me casei. Aqui engravidei e tive meu bebê, aqui sofri a perda da minha mãe (que de certa forma, sofro até hoje). Aqui fui infeliz no casamento até o dia em que disse chega e escolhi a minha felicidade. Aqui também aprendi que sou muito mais forte do que eu imaginava. E é aqui que estou aprendendo a amar de novo. Aqui me encontrei e me perdi várias vezes, no sentido literal e figurado da expressão. Acima de tudo, aqui aprendi a viver um dia de cada vez. E a agradecer as benções recebidas.

Mas o detalhe mais incrível desta estória toda é a nítida sensação de ter completado um ciclo importante. Há exatos 15 anos, me despedi de F. no aeroporto de Dublin. Na época ele era casado, eu estava começando uma nova jornada e nos separamos sem nenhuma expectativa de um dia nos revermos. E assim foi que um ano depois conheci J., com quem fui morar junto, mais tarde me casei e tive um filho. Após 10 anos de casamento, muitos erros e poucos acertos, decidimos nos divorciar. Há cerca de 2 anos - por uma daquelas obras do destino - F. cruzou de novo meu caminho. Estamos juntos desde então, e hoje comemoro ao lado dele meus 15 anos de Holanda. Ciclo fechado. Coisas do destino.

6 comentários:

tanyssima disse...

Parabéns, Beth. Quando lembro daquela minha passagem tão breve por aí, e daquela biblioteca maravilhosa onde você me levou, me dá uma vontade danada de voltar. Talvez voltar pra ficar um tempo, quem sabe? Em um ano e meio sairei em licença de pós-doutorado e ainda não sei para onde. Quem sabe...
Essa sua estória de reencontro com teu ex-amor também balança a gente. Quem não teve uma estória assim, que pareceu ficar pelo meio? Eu tive. E novamente, quem sabe? Como saber o que foi mesmo concluído, o que já deu o que tinha que dar? Como saber? O negócio é seguir em frente, mas, como nunca se sabe quais curvas o caminho reserva, ou se não vamos acabar retornando ao ponto de partida, mesmo sem intenção, não é possível dizer nada conclusivo sobre o passado.
Mas vejo que você parece feliz com seu fechamento de ciclo. Isso é o que importa. Beijos

Beth Blue disse...

Querida Tânia, saudades de você e da sua rápida visita! E sim, espero um dia reencontrá-la pra trocarmos mais idéias.

Tentei postar comentários no seu blog (que descobri há pouco e pretendo visitar sempre) mas deu erro! Vou continuar tentando...

beijos

Norma Spagnuolo disse...

Olá Beth! parabéns! Acredito que tudo tem um porquê de acontecer e acontece na hora certa. Se um ciclo se fecha é porque outro se inicia, né? Então, boa sorte no novo ciclo!
Bj

tanyssima disse...

É, eu sei que tem alguma coisa errada com a área de comentários do meu blog. Vários amigos que tem conta de Google ou são blogueiros mesmo comentaram que não conseguiram comentar. Eu mesma fui responder a um comentário lá, porque não achei outra forma de contato com a pessoa, e não entrou o comentário hoje. Sei lá, deve ser um bug. Logo passa.
Agora que as aulas acabaram, tá mais fácil passar umas horinhas só na web, fuçando os blogs e outras coisas. Mesmo assim, ainda entro mais à noite e final de semana.
Seu blog ainda é um dos dois ou três preferidos. Tem tanto assunto!
beijos

Isabella disse...

WOW Beth que história incrível! Senti esperanças aqui no meu coraçãozinho. Será que vou precisar esperar mais 7 anos? : )

Adoro seus relatos!

bjs,

Anônimo disse...

Ando pela net de blog em blog, lendo e aprendendo.. porque as pessoas são muitas vezes o que escrevem e não o que aparentam. Para mim são corações sem rosto, mas ainda assim corações, que vivem e nos fazem sonhar. Sou portuguesa e estive à uns dias em Amsterdam por isso o teu blog chamou-me a atenção. Queria apenas dizer que gostei muito de ler o teu blog e que te admiro por teres tido a coragem de partir para o outro lado do oceano, sozinha, no fundo em busca de tu própria. Beijinhos da Carina