sábado, dezembro 14, 2013

Eu ando triste...

Final de ano é sempre muito complicado pra mim...eu sempre tenho uma recaída. E este ano, pra piorar, meu filho também está mal. Tão mal que precisei conversar com a escola e ele terá acompanhamento psicológico nos próximos meses. Adolescência já é um período delicado e ter de lidar com uma mãe deprimida em casa não é nada fácil - sou a primeira a admitir porque vivi os dois lados. Verdade seja dita, não são os filhos que devem cuidar dos pais e sim o contrário. Pelo menos assim é que deveria ser. Mas nem tudo é um mar de rosas...

Só vou dizer uma coisa: eu posso não ter família na Holanda, posso ter poucos amigos aqui perto mas graças a Deus temos tido (muita) assistência de outras pessoas. Gente cuja vocação - mais do que mera profissão - é ajudar os que precisam de um ombro amigo, de ouvidos para ouvir sem críticas ou julgamentos apressados. A começar pela minha médica da família, que me acompanha há oito anos, conhece o meu histórico e sempre tem tempo pra me ouvir sem minimizar ou "relativar" a minha dor. Esta mesma médica achou bom encaminhar o Liam para um psicólogo. Até porque, adolescência ou não, ele faz parte do grupo de risco (minha mãe também sofreu de depressão a vida inteira).

Quanto a mim, este blog costumava ser a minha válvula de escape, uma espécie de diário pessoal, um relato das minhas lutas e vitórias - só estar viva já é pra mim uma grande vitória.  Mas depois de várias experiências desagradáveis com amizades, decidi me isolar ainda mais e me poupar. Só que o isolamento é uma faca de dois gumes...e infelizmente isso só parece ter agravado a minha situação (assim como o fato de ter parado de escrever aqui sobre essas questões).

Porque a verdade é simples: eu preciso escrever. Não interessa se alguém vai ler ou deixar de ler, se vai entender ou não. Eu sei que muitos não entendem, mas tem muita gente que entende, que vive a mesma batalha e é para eles que eu escrevo nessas horas. Eu preciso escrever pra colocar pra fora esta avalanche de pensamentos descoordenados dentro da minha cabeça. Preciso escrever para tentar colocar ordem no caos, para tentar conter os estragos. Mas perdi a vontade de compartilhar qualquer coisa hoje em dia. Com o passar dos anos desisti de contar com a ajuda de amigos (e nem posso, se for pensar bem, cada um tem seus próprios problemas e no final das contas, é cada um por si mesmo).

Felizmente tenho a ajuda de profissionais, que nunca me desapontaram ao longo de todos estes anos. O que é até irônico porque aqui na Holanda o que mais tem é brasileiro reclamando do sistema de saúde holandês! E foi uma das poucas coisas em que tive sorte por aqui, sempre me "enviaram" a pessoa certa na hora certa. Nessas horas acredito que eu tenha um "anjo da guarda" mexendo os pauzinhos lá encima pra mim. E a estória se repete agora na escola do Liam, onde encontramos pessoas dedicadas e maravilhosas, dispostas a ouvir e a ajudar. Faz toda a diferença, acreditem.

Last but not least, tem o F. que nunca me abandonou, até quando eu mesma decidi abandoná-lo. Uma presença essencial na minha vida e que me ajuda a manter a minha estabilidade (sanidade) emocional e mental. Uma pessoa tão diferente de mim, com a vida toda certinha (tudo planejado) e a cabeça e o coração nos lugares certos! Podemos até não estar namorando "oficialmente" (eu já terminei este namoro duas vezes nos últimos seis anos) mas ele sempre vem aqui me visitar, quase todo fim-de-semana. E se eu estiver mal, sei que posso ligar pra ele a qualquer hora do dia ou da noite. O que eu não posso dizer de outras pessoas. E isso também tem feito toda a diferença nesses dias escuros. Porque ninguém vence esta batalha sozinha.

Desculpem o assunto chato, desculpem a falta de boas notícias. Mas hoje eu só precisava escrever. Mais nada.

8 comentários:

Eliana disse...

Beth, espero que vocês saiam logo desta fase "baixa". É um exercício e você junto com Liam precisam juntos seguirem em frente. Acabei de comentar no meu blog que no hospital eu sempre encontrei ótimos médicos e enfermeiros...até brinquei que nesta hora holandês até parece gente boa! hahahaha Também gosto muito do meu huisarts. Enfim, só de você ter assistência e ser acompanhada já é meio caminho andado. Não se abale por causa das pessoas, perdoe-as porque como vc bem sabe elas provavelmente tem as suas fraquezas e muitas realmente não tem condições para te apoiar, seja emocional ou por consideração mesmo. Ou, às vezes, elas não sabem o que fazer. Não se isole, não...no dia a dia há muito prazer na vida. Vá em frente. Força e alegria pra você. Um beijo!

Paula Oliveira disse...

A vida às vezes dá um nó difícil de ser desfeito. Conheço bem a depressão e embora por motivos bem diferentes (imagino), eu tinha mais ou menos a mesma idade do Liam quando passei por isso. Sempre ia e vinha e eu nunca tive acompanhamento médico. Enfim, uma luta.
Eu sou como vc, às vezes preciso escrever mesmo que ninguém venha a ler. É pra gente mesmo. Pra pôr ordem na bagunça da nossa mente.
Desejo de coração que tudo isso logo passe. Seu filho parece ter uma mãe e tanto e isso por si só já faz toda diferença.

Anônimo disse...

Beth,
Não gosto de comentar nos blogs que leio, mas saiba que toda semana procuro lê-la.
Força e muita mansidão para o teu coração.
Abraços,

Maria Valéria disse...

Lendo seu post, tenho que admitir que preciso sair da minha zona de conforto...

Tambem parei de escrever, nao por medo de me expor, mas simplesmente porque nao tenho mais vontade...

Ando sem motivação, enfim...pelo menos ja sei por que e ja e e um ótimo começo !!!
Beijos e boa sorte para nos duas,

Line disse...

Beth, a depressão é um monstro sempre à espreita, esperando uma oportunidade pra atacar (novamente). Se cuida!

Aline Aimée disse...

Puxa, Beth.
Imagino seu sofrimento. Minha mãe sofre de depressão e é uma barra, bem difícil.
Desejo muita força pra vc e pro Ian, e continue escrevendo, querida!
Tudo de bom pra ti!
:)

Aline Aimée disse...

Querida, te marquei num meme, só pra descontrair.
Não sei se vc já participou.

Beijinhos!

http://www.little-doll-house.com/2013/12/meme-escrito.html

Milena F. disse...

Escreva sim, para abrir a alma, o coração, assim a gente consegue elaborar a nossa dor...
Pelo menos para mim funciona!!!

Espero te ver melhor em 2014!

Tecnologia do Blogger.

Eu ando triste...

Final de ano é sempre muito complicado pra mim...eu sempre tenho uma recaída. E este ano, pra piorar, meu filho também está mal. Tão mal que precisei conversar com a escola e ele terá acompanhamento psicológico nos próximos meses. Adolescência já é um período delicado e ter de lidar com uma mãe deprimida em casa não é nada fácil - sou a primeira a admitir porque vivi os dois lados. Verdade seja dita, não são os filhos que devem cuidar dos pais e sim o contrário. Pelo menos assim é que deveria ser. Mas nem tudo é um mar de rosas...

Só vou dizer uma coisa: eu posso não ter família na Holanda, posso ter poucos amigos aqui perto mas graças a Deus temos tido (muita) assistência de outras pessoas. Gente cuja vocação - mais do que mera profissão - é ajudar os que precisam de um ombro amigo, de ouvidos para ouvir sem críticas ou julgamentos apressados. A começar pela minha médica da família, que me acompanha há oito anos, conhece o meu histórico e sempre tem tempo pra me ouvir sem minimizar ou "relativar" a minha dor. Esta mesma médica achou bom encaminhar o Liam para um psicólogo. Até porque, adolescência ou não, ele faz parte do grupo de risco (minha mãe também sofreu de depressão a vida inteira).

Quanto a mim, este blog costumava ser a minha válvula de escape, uma espécie de diário pessoal, um relato das minhas lutas e vitórias - só estar viva já é pra mim uma grande vitória.  Mas depois de várias experiências desagradáveis com amizades, decidi me isolar ainda mais e me poupar. Só que o isolamento é uma faca de dois gumes...e infelizmente isso só parece ter agravado a minha situação (assim como o fato de ter parado de escrever aqui sobre essas questões).

Porque a verdade é simples: eu preciso escrever. Não interessa se alguém vai ler ou deixar de ler, se vai entender ou não. Eu sei que muitos não entendem, mas tem muita gente que entende, que vive a mesma batalha e é para eles que eu escrevo nessas horas. Eu preciso escrever pra colocar pra fora esta avalanche de pensamentos descoordenados dentro da minha cabeça. Preciso escrever para tentar colocar ordem no caos, para tentar conter os estragos. Mas perdi a vontade de compartilhar qualquer coisa hoje em dia. Com o passar dos anos desisti de contar com a ajuda de amigos (e nem posso, se for pensar bem, cada um tem seus próprios problemas e no final das contas, é cada um por si mesmo).

Felizmente tenho a ajuda de profissionais, que nunca me desapontaram ao longo de todos estes anos. O que é até irônico porque aqui na Holanda o que mais tem é brasileiro reclamando do sistema de saúde holandês! E foi uma das poucas coisas em que tive sorte por aqui, sempre me "enviaram" a pessoa certa na hora certa. Nessas horas acredito que eu tenha um "anjo da guarda" mexendo os pauzinhos lá encima pra mim. E a estória se repete agora na escola do Liam, onde encontramos pessoas dedicadas e maravilhosas, dispostas a ouvir e a ajudar. Faz toda a diferença, acreditem.

Last but not least, tem o F. que nunca me abandonou, até quando eu mesma decidi abandoná-lo. Uma presença essencial na minha vida e que me ajuda a manter a minha estabilidade (sanidade) emocional e mental. Uma pessoa tão diferente de mim, com a vida toda certinha (tudo planejado) e a cabeça e o coração nos lugares certos! Podemos até não estar namorando "oficialmente" (eu já terminei este namoro duas vezes nos últimos seis anos) mas ele sempre vem aqui me visitar, quase todo fim-de-semana. E se eu estiver mal, sei que posso ligar pra ele a qualquer hora do dia ou da noite. O que eu não posso dizer de outras pessoas. E isso também tem feito toda a diferença nesses dias escuros. Porque ninguém vence esta batalha sozinha.

Desculpem o assunto chato, desculpem a falta de boas notícias. Mas hoje eu só precisava escrever. Mais nada.

8 comentários:

Eliana disse...

Beth, espero que vocês saiam logo desta fase "baixa". É um exercício e você junto com Liam precisam juntos seguirem em frente. Acabei de comentar no meu blog que no hospital eu sempre encontrei ótimos médicos e enfermeiros...até brinquei que nesta hora holandês até parece gente boa! hahahaha Também gosto muito do meu huisarts. Enfim, só de você ter assistência e ser acompanhada já é meio caminho andado. Não se abale por causa das pessoas, perdoe-as porque como vc bem sabe elas provavelmente tem as suas fraquezas e muitas realmente não tem condições para te apoiar, seja emocional ou por consideração mesmo. Ou, às vezes, elas não sabem o que fazer. Não se isole, não...no dia a dia há muito prazer na vida. Vá em frente. Força e alegria pra você. Um beijo!

Paula Oliveira disse...

A vida às vezes dá um nó difícil de ser desfeito. Conheço bem a depressão e embora por motivos bem diferentes (imagino), eu tinha mais ou menos a mesma idade do Liam quando passei por isso. Sempre ia e vinha e eu nunca tive acompanhamento médico. Enfim, uma luta.
Eu sou como vc, às vezes preciso escrever mesmo que ninguém venha a ler. É pra gente mesmo. Pra pôr ordem na bagunça da nossa mente.
Desejo de coração que tudo isso logo passe. Seu filho parece ter uma mãe e tanto e isso por si só já faz toda diferença.

Anônimo disse...

Beth,
Não gosto de comentar nos blogs que leio, mas saiba que toda semana procuro lê-la.
Força e muita mansidão para o teu coração.
Abraços,

Maria Valéria disse...

Lendo seu post, tenho que admitir que preciso sair da minha zona de conforto...

Tambem parei de escrever, nao por medo de me expor, mas simplesmente porque nao tenho mais vontade...

Ando sem motivação, enfim...pelo menos ja sei por que e ja e e um ótimo começo !!!
Beijos e boa sorte para nos duas,

Line disse...

Beth, a depressão é um monstro sempre à espreita, esperando uma oportunidade pra atacar (novamente). Se cuida!

Aline Aimée disse...

Puxa, Beth.
Imagino seu sofrimento. Minha mãe sofre de depressão e é uma barra, bem difícil.
Desejo muita força pra vc e pro Ian, e continue escrevendo, querida!
Tudo de bom pra ti!
:)

Aline Aimée disse...

Querida, te marquei num meme, só pra descontrair.
Não sei se vc já participou.

Beijinhos!

http://www.little-doll-house.com/2013/12/meme-escrito.html

Milena F. disse...

Escreva sim, para abrir a alma, o coração, assim a gente consegue elaborar a nossa dor...
Pelo menos para mim funciona!!!

Espero te ver melhor em 2014!