quinta-feira, fevereiro 13, 2014

Blogueiras em crise



O que eu gosto mesmo neste mundo dos blogs é ver que não estou sozinha. É ver que tem gente por este mundo afora que sente e pensa como eu. E assim eu não me sinto tão estranha e com a (eterna) sensação de estar sempre nadando contra a corrente. Porque blogueiro que se preza também tem suas crises. A começar pelo famoso writer´s block. Bloqueio de escrita não é só coisa pra escritor, sabiam? Porque se for pensar bem, toda blogueira tem um pouco de escritora. Toda blogueira precisa escrever, precisa das palavras para interagir com os outros (não necessariamente seus leitores mas já é um bom começo). E chega um dia que ela se questiona se vale a pena se expor, se o preço a ser pago vale a pena.

A gente passa a maior parte do tempo buscando o equilíbrio, tentando conciliar nossa necessidade de escrever com o grau inevitável de exposição (não se iludam, tudo na vida tem seu preço). Eu mesma já passei por todas as fases. No inicio do blog eu era aquela pessoa ingenua e escrevia como quem escreve um diário, pra mim mesma (bons tempos aqueles). Até que os seguidores começaram a chegar (embora eu ainda tenha relativamente poucos em comparação com algumas estrelas da blogosfera), a gente começa a pensar duas vezes antes de fazer mais aquele desabafo. A gente começa a pensar duas vezes antes de se expor para desconhecidos. A gente se questiona se vale mesmo a pena arriscar mais uma polêmica. Em outras palavras, a gente vira macaco velho...

E aí vem a famosa crise: desistir do blog? fechar o blog apenas para convidados? Eu passei por essa crise no ano passado, ainda passo em dias ruins. Até que leio um post do tipo desabafo de uma amiga blogueira. As duas últimas foram a minha querida Priscila do Devaneios e Metamorfoses (que escreveu este post que poderia ter sido escrito por mim, sem tirar nem por). E a minha blogueira nerd favorita, a Luana do Hunfs, que assim como muitos, cansou (aqui). E ambas estão cobertas de razão. E eu me sinto menos sozinha e grata a elas por terem compartilhado.

Quem lê este blog - são poucos mas são leitores fiéis - sabe que eu tenho uma relação de amor e ódio com uma certa rede social. Porque eu acho muito dificil ser genuíno quando existem regras rígidas de comportamento. Regras sobre o que pode e o que não pode ser dito. Como a regra implícita de que não se deve falar de problemas (afinal, todo mundo é feliz o tempo todo). Não se pode falar, não se pode desabafar, reclamar muito menos. E bola pra frente que atrás vem gente!

E é justamente aí que entra o papel dos blogs. Porque em um blog, quem faz a regra é o blogueiro que escreve. Se ele quer escrever um post pessoal, escreve e pronto! Se ele vai ou não arcar com as consequências, o problema é dele. Se ele quer postar fotos bonitinhas e textos inspiracionais, tá bom também. Tem público pra todo tipo de blog (e não apenas para os populares blogs de viagem). E é justamente isso que eu admiro na blogosfera: sua diversidade. Porque sinceramente, nem todo mundo curte ver todo santo dia fotos de pessoas sorrindo em suas viagens, ou grupos de pessoas se divertindo em uma festa ou restaurante, o novo carro ou o que fulano jantou ontem. Muitos de nós sabemos (e aceitamos) que a vida é muito mais do que isso. Nós queremos ir além e descobrir (desvendar) a realidade por trás destas paisagens. Mas há um preço a ser pago.

Moral da estória: ter blog pessoal não é para os fracos. Porque ser autêntico no mundo de hoje é uma das tarefas mais difíceis que uma pessoa irá (ou não) realizar em sua vida. Boa sorte para quem decidiu embarcar nesta viagem. E muita coragem pra continuar sendo quem você é, independentemente do que os outros acham ou deixam de achar!

Quanto a mim, só sei ser eu mesma.



9 comentários:

Anita disse...

Blog num tom muito pessoal é arriscado. Muita exposição de si mesmo. Há empregadores que não gostam nem um pouco de saber que o funcionário tem um blog, nunca se sabe o que o chamado "autor" poderá despejar na internet. Acho que potenciais empregadores nem me chamaram para entrevista ao descobrirem que tenho um blogue. Eu agora voltei a blogar depois de um ano de poausa, pois tinha um trabalho intenso, longe e mais minhas obrigaçoes pessoais. Minha expectativa é a seguinte; quando tiver tempo sobrando eu blogo. Caso contrário entro numas férias de blog de novo !

Eliana disse...

Beth...eu cheguei a comentar até com a Luana: "posso até ficar sem amigos reais, mas não me tirem os amigos virtuais (blogueiros). Penso na mesma direção que vc. O mundo dos blogs é algo maravilhoso. Existe uma ética intrínseca que blogueiro entende, todo mundo é livre, ninguém é obrigado a nada, se conhecer pessoalmente é um acaso e a intimidade que existe não é invasiva. Trocamos experiências e vivências, discutimos idéias e damos opiniões. Há que se tomar cuidado, há, penso que pra tudo há um limite do bom senso. E viva o mundo dos blogs!!! Bjs

Marcela disse...

Lindo seu post, Beth, sem tirar nem por! Concordo com tudo o que você disse, odeio isso de as pessoas acharem que não devemos expor nossos problemas. Acho que temos que escrever o que estivermos com vontade. Eu sinceramente gosto mais de blogs pessoais, não gosto desses blogs grandes e famosos cheios de look do dia, viagens "chiquerérrimas", roupas caríssimas e festas maravilhosas. Sério, isso não é pra mim.

beijos

Pri S. disse...

"Quanto a mim, só sei ser eu mesma."

Que lindo isso!!! Que coisa incrível a pessoa somente saber ser ela mesma num mundo em que todo mundo copia todo mundo, quer ter o corpo de fulano ou a roupa de tal marca da blogueira famosa.

Saber sua essência e conhecer o próprio estilo, desejos e limitações é para os poucos que se atrevem a ir além das aparências e do clima raso de "oba, oba" que impera nas redes sociais.

As pessoas buscam a perfeição e a idealização. Acho que a gente só quer a humanidade e todas as suas contradições, né, Beth? :-) Bjo!

Georgia Aegerter disse...

Beth, eu tb numa fase assim como que de dormência. Quero escrever muitas coisas, mas nao tô afim de visitar ninguém por obrigacao e ler e comentar.
Tracei outros e novos objetivos para este ano e estou gostando muito de fazer outras e descobrir outras coisas.
Vc tem razao, passamos por muitas fases na blogsfera e mudamos e amadurecemos. Por isso, quando quero desabafar e escrever algo pessoal, escrevo num blog onde ele nao é aberto ao público, ali escrevo meus preconceitos e atitudes nao bem pensadas. É meu diário e sao minhas confissoes.

Um beijo grande

Maria Valéria disse...

Eu acho muito chato esse negocio de " se exponha mais, se exponha menos"
Cada um e adulto o suficiente pra saber ate onde pode e quer se expor,
Nao vejo graça em ler textos muito superficiais, em que a pessoa nao se abre.
Eu me abro o quanto acho que quero , que posso e que devo,
No meu caso,nao ha problemas com empregadores , porque sou concursada e porque pouca gente sabe que tenho blog. eu nao o divulgo em redes sociais, nem mostro pra todo mundo.
Tambem nao falo sobre trabalho,colegas ou pacientes no blog,
Sobre vida afetiva, muito pouco, ja apaguei alguns posts sobre vida afetiva porque perdeu o sentido de eles estarem lá, tanta coisa mudou...
Ja pensei em trancar o blog so pra convidados pra poder me abrir mais. Ou mesmo em contar minhas histórias com um pseudônimo.Mas desisti....perdi a vontade de falar muito sobre mim, sei lá.
Você corre riscos ao se expor, sem duvida.Mas por outro lado, pode ajudar muita gente,
A história da minha experiência com bullying que contei em 2012 pode servir pra muita gente criar coragem e se ajudar ou mesmo ajudar alguém,
E quem nao se expõe, ou nao corre riscos,ok, mas em minha opinião perde oportunidades. Beijos e vamos aos nossos posts pessoais!!-:)

Inaie disse...

Engraçado como eu sinto muitas das coisas que você disse, mas ao contrario.
Acho facil escrever para um publico que nao me conhece pessoalmente. O meu problema é que depois que eu publico algumas coisas, recebo uma avalanche de telefonemas de familiares e amigos proximos, me dando esporro.

Para de se expor. para disso. Nao fala aquilo...

E no blog, nao tem a tecla "bloquear"! Ah se tivesse...

M. M. disse...

Olá, moça!
Adorei seu post e me identifiquei com ele. Eu sou muito tímida, mas mais que isso sinto necessidade de escrever e compartilhar. Comecei meu blog, mas ainda não tive coragem de colocar foto minha, nem assinar meu nome. Não cogitei espalhar pros amigos naquela tal rede que vc cita, porque um tanto de anonimato me faz bem e me deixa mais relaxada. Ter um blog de viagem e de expatriação futura é mesmo um diário... quero relê-lo depois, eu o escrevo pra mim. Além disso, as pessoas que chegam a ele são as que eu fui em busca e que gostam do tema. Admiro a força de quem se mostra, quem sabe um dia eu chego lá...
Beijoooos!
M.

http://caseicomomundo.blogspot.com.br/

Aline Aimée disse...

Affe, Beth vc escreve tão bem, e com uma fluidez! Sou fã!
Teu post reflete momentos por que passei e por que pessoas queridas que tb blogam passaram. Volta e meia desanimo, ou sou sugada pela real life. Escrevo e leio blogs pelo exato motivo que você citou: buscar identificação, ver que não estou só, trocar experiências, sabe? E lendo blogs como o seu, me sinto até mais inteligente. Quanto à tal rede social, cada dia me dá mais preguiça também. Mantenho pra não perder o contato com certas pessoas, mas a vibe "coluna social" me cansa bastante também.
Eu hoje calhei de voltar com um post mais alegrinho e vim logo checar o seu.

Beijoquinhas!

Tecnologia do Blogger.

Blogueiras em crise



O que eu gosto mesmo neste mundo dos blogs é ver que não estou sozinha. É ver que tem gente por este mundo afora que sente e pensa como eu. E assim eu não me sinto tão estranha e com a (eterna) sensação de estar sempre nadando contra a corrente. Porque blogueiro que se preza também tem suas crises. A começar pelo famoso writer´s block. Bloqueio de escrita não é só coisa pra escritor, sabiam? Porque se for pensar bem, toda blogueira tem um pouco de escritora. Toda blogueira precisa escrever, precisa das palavras para interagir com os outros (não necessariamente seus leitores mas já é um bom começo). E chega um dia que ela se questiona se vale a pena se expor, se o preço a ser pago vale a pena.

A gente passa a maior parte do tempo buscando o equilíbrio, tentando conciliar nossa necessidade de escrever com o grau inevitável de exposição (não se iludam, tudo na vida tem seu preço). Eu mesma já passei por todas as fases. No inicio do blog eu era aquela pessoa ingenua e escrevia como quem escreve um diário, pra mim mesma (bons tempos aqueles). Até que os seguidores começaram a chegar (embora eu ainda tenha relativamente poucos em comparação com algumas estrelas da blogosfera), a gente começa a pensar duas vezes antes de fazer mais aquele desabafo. A gente começa a pensar duas vezes antes de se expor para desconhecidos. A gente se questiona se vale mesmo a pena arriscar mais uma polêmica. Em outras palavras, a gente vira macaco velho...

E aí vem a famosa crise: desistir do blog? fechar o blog apenas para convidados? Eu passei por essa crise no ano passado, ainda passo em dias ruins. Até que leio um post do tipo desabafo de uma amiga blogueira. As duas últimas foram a minha querida Priscila do Devaneios e Metamorfoses (que escreveu este post que poderia ter sido escrito por mim, sem tirar nem por). E a minha blogueira nerd favorita, a Luana do Hunfs, que assim como muitos, cansou (aqui). E ambas estão cobertas de razão. E eu me sinto menos sozinha e grata a elas por terem compartilhado.

Quem lê este blog - são poucos mas são leitores fiéis - sabe que eu tenho uma relação de amor e ódio com uma certa rede social. Porque eu acho muito dificil ser genuíno quando existem regras rígidas de comportamento. Regras sobre o que pode e o que não pode ser dito. Como a regra implícita de que não se deve falar de problemas (afinal, todo mundo é feliz o tempo todo). Não se pode falar, não se pode desabafar, reclamar muito menos. E bola pra frente que atrás vem gente!

E é justamente aí que entra o papel dos blogs. Porque em um blog, quem faz a regra é o blogueiro que escreve. Se ele quer escrever um post pessoal, escreve e pronto! Se ele vai ou não arcar com as consequências, o problema é dele. Se ele quer postar fotos bonitinhas e textos inspiracionais, tá bom também. Tem público pra todo tipo de blog (e não apenas para os populares blogs de viagem). E é justamente isso que eu admiro na blogosfera: sua diversidade. Porque sinceramente, nem todo mundo curte ver todo santo dia fotos de pessoas sorrindo em suas viagens, ou grupos de pessoas se divertindo em uma festa ou restaurante, o novo carro ou o que fulano jantou ontem. Muitos de nós sabemos (e aceitamos) que a vida é muito mais do que isso. Nós queremos ir além e descobrir (desvendar) a realidade por trás destas paisagens. Mas há um preço a ser pago.

Moral da estória: ter blog pessoal não é para os fracos. Porque ser autêntico no mundo de hoje é uma das tarefas mais difíceis que uma pessoa irá (ou não) realizar em sua vida. Boa sorte para quem decidiu embarcar nesta viagem. E muita coragem pra continuar sendo quem você é, independentemente do que os outros acham ou deixam de achar!

Quanto a mim, só sei ser eu mesma.



9 comentários:

Anita disse...

Blog num tom muito pessoal é arriscado. Muita exposição de si mesmo. Há empregadores que não gostam nem um pouco de saber que o funcionário tem um blog, nunca se sabe o que o chamado "autor" poderá despejar na internet. Acho que potenciais empregadores nem me chamaram para entrevista ao descobrirem que tenho um blogue. Eu agora voltei a blogar depois de um ano de poausa, pois tinha um trabalho intenso, longe e mais minhas obrigaçoes pessoais. Minha expectativa é a seguinte; quando tiver tempo sobrando eu blogo. Caso contrário entro numas férias de blog de novo !

Eliana disse...

Beth...eu cheguei a comentar até com a Luana: "posso até ficar sem amigos reais, mas não me tirem os amigos virtuais (blogueiros). Penso na mesma direção que vc. O mundo dos blogs é algo maravilhoso. Existe uma ética intrínseca que blogueiro entende, todo mundo é livre, ninguém é obrigado a nada, se conhecer pessoalmente é um acaso e a intimidade que existe não é invasiva. Trocamos experiências e vivências, discutimos idéias e damos opiniões. Há que se tomar cuidado, há, penso que pra tudo há um limite do bom senso. E viva o mundo dos blogs!!! Bjs

Marcela disse...

Lindo seu post, Beth, sem tirar nem por! Concordo com tudo o que você disse, odeio isso de as pessoas acharem que não devemos expor nossos problemas. Acho que temos que escrever o que estivermos com vontade. Eu sinceramente gosto mais de blogs pessoais, não gosto desses blogs grandes e famosos cheios de look do dia, viagens "chiquerérrimas", roupas caríssimas e festas maravilhosas. Sério, isso não é pra mim.

beijos

Pri S. disse...

"Quanto a mim, só sei ser eu mesma."

Que lindo isso!!! Que coisa incrível a pessoa somente saber ser ela mesma num mundo em que todo mundo copia todo mundo, quer ter o corpo de fulano ou a roupa de tal marca da blogueira famosa.

Saber sua essência e conhecer o próprio estilo, desejos e limitações é para os poucos que se atrevem a ir além das aparências e do clima raso de "oba, oba" que impera nas redes sociais.

As pessoas buscam a perfeição e a idealização. Acho que a gente só quer a humanidade e todas as suas contradições, né, Beth? :-) Bjo!

Georgia Aegerter disse...

Beth, eu tb numa fase assim como que de dormência. Quero escrever muitas coisas, mas nao tô afim de visitar ninguém por obrigacao e ler e comentar.
Tracei outros e novos objetivos para este ano e estou gostando muito de fazer outras e descobrir outras coisas.
Vc tem razao, passamos por muitas fases na blogsfera e mudamos e amadurecemos. Por isso, quando quero desabafar e escrever algo pessoal, escrevo num blog onde ele nao é aberto ao público, ali escrevo meus preconceitos e atitudes nao bem pensadas. É meu diário e sao minhas confissoes.

Um beijo grande

Maria Valéria disse...

Eu acho muito chato esse negocio de " se exponha mais, se exponha menos"
Cada um e adulto o suficiente pra saber ate onde pode e quer se expor,
Nao vejo graça em ler textos muito superficiais, em que a pessoa nao se abre.
Eu me abro o quanto acho que quero , que posso e que devo,
No meu caso,nao ha problemas com empregadores , porque sou concursada e porque pouca gente sabe que tenho blog. eu nao o divulgo em redes sociais, nem mostro pra todo mundo.
Tambem nao falo sobre trabalho,colegas ou pacientes no blog,
Sobre vida afetiva, muito pouco, ja apaguei alguns posts sobre vida afetiva porque perdeu o sentido de eles estarem lá, tanta coisa mudou...
Ja pensei em trancar o blog so pra convidados pra poder me abrir mais. Ou mesmo em contar minhas histórias com um pseudônimo.Mas desisti....perdi a vontade de falar muito sobre mim, sei lá.
Você corre riscos ao se expor, sem duvida.Mas por outro lado, pode ajudar muita gente,
A história da minha experiência com bullying que contei em 2012 pode servir pra muita gente criar coragem e se ajudar ou mesmo ajudar alguém,
E quem nao se expõe, ou nao corre riscos,ok, mas em minha opinião perde oportunidades. Beijos e vamos aos nossos posts pessoais!!-:)

Inaie disse...

Engraçado como eu sinto muitas das coisas que você disse, mas ao contrario.
Acho facil escrever para um publico que nao me conhece pessoalmente. O meu problema é que depois que eu publico algumas coisas, recebo uma avalanche de telefonemas de familiares e amigos proximos, me dando esporro.

Para de se expor. para disso. Nao fala aquilo...

E no blog, nao tem a tecla "bloquear"! Ah se tivesse...

M. M. disse...

Olá, moça!
Adorei seu post e me identifiquei com ele. Eu sou muito tímida, mas mais que isso sinto necessidade de escrever e compartilhar. Comecei meu blog, mas ainda não tive coragem de colocar foto minha, nem assinar meu nome. Não cogitei espalhar pros amigos naquela tal rede que vc cita, porque um tanto de anonimato me faz bem e me deixa mais relaxada. Ter um blog de viagem e de expatriação futura é mesmo um diário... quero relê-lo depois, eu o escrevo pra mim. Além disso, as pessoas que chegam a ele são as que eu fui em busca e que gostam do tema. Admiro a força de quem se mostra, quem sabe um dia eu chego lá...
Beijoooos!
M.

http://caseicomomundo.blogspot.com.br/

Aline Aimée disse...

Affe, Beth vc escreve tão bem, e com uma fluidez! Sou fã!
Teu post reflete momentos por que passei e por que pessoas queridas que tb blogam passaram. Volta e meia desanimo, ou sou sugada pela real life. Escrevo e leio blogs pelo exato motivo que você citou: buscar identificação, ver que não estou só, trocar experiências, sabe? E lendo blogs como o seu, me sinto até mais inteligente. Quanto à tal rede social, cada dia me dá mais preguiça também. Mantenho pra não perder o contato com certas pessoas, mas a vibe "coluna social" me cansa bastante também.
Eu hoje calhei de voltar com um post mais alegrinho e vim logo checar o seu.

Beijoquinhas!