segunda-feira, janeiro 26, 2009

For the Wild Ones

Ontem finalmente assisti o aclamado Into the Wild. E o filme é realmente ótimo! Confesso que não sabia que o Sean Penn era um diretor tão bom.

Baseado em uma história verídica, Into the Wild é a história de um ideal. De uma busca espiritual e, acima de tudo, de uma fuga. Ele acompanha a saga de Christopher McCandless, que após se formar na universidade, decide abandonar os valores tradicionais e partir rumo à natureza. Para desespero de seus pais, claro. Num ato de radicalismo e muita coragem, ele doa suas economias para uma obra de caridade, arruma a mochila e parte rumo à natureza, em busca de uma vida simples. Em sua extraordinária jornada, encontra muitos como ele, pessoas que vivem à margem da sociedade - por opção. Hippies, naturalistas e outras tribos alternativas, além de um ou outro lunático (como o casal de Kopenhagen).

Como não podia deixar de ser, o filme lembra muito o idealismo dos anos 70 (porque hoje em dia é cada um por si e Deus por todos). Com direito a referências ao clássico naturalista de Thoreau, Walden. Que aliás eu li e adorei quando tinha meus 20 anos...Idealismo da juventude? Sem dúvida. Mas também leitura essencial para as mentes questionadoras entre nós. Food for thought. Não percam!

4 comentários:

Cris A. disse...

Nosss, esse filme é demais! Eu assisti pouco depois de ter lido On the Road e Dharma Bums do Kerouac, fez muita diferença.

Eu gostei bastante da trilha, também. O Eddie Vedder escreveu, é muito boa.

Anônimo disse...

Weg van alles, wie wil dat niet zo af en toe?

Maar weg voor altijd?
Ik zou niet weten hoe...

Anônimo disse...

Recomendo Milk do Gus van Sant com o Sean Penn no papel principal. O cara é muiiiito bom.

Bjs,L

kalina morena disse...

eu fiquei meio pirada quando vi esse filme. a busca dele representa tanta dor na familia. . . eh muito complicado tudo isso. e no final ele chega aa conclusao de que a felicidade so eh real quando compartilhada (ele escreve isso). tarde demais, claro.
mas gostei muito do filme. adoro william hurt e o outro povo tambem :-)
Kalina

Tecnologia do Blogger.

For the Wild Ones

Ontem finalmente assisti o aclamado Into the Wild. E o filme é realmente ótimo! Confesso que não sabia que o Sean Penn era um diretor tão bom.

Baseado em uma história verídica, Into the Wild é a história de um ideal. De uma busca espiritual e, acima de tudo, de uma fuga. Ele acompanha a saga de Christopher McCandless, que após se formar na universidade, decide abandonar os valores tradicionais e partir rumo à natureza. Para desespero de seus pais, claro. Num ato de radicalismo e muita coragem, ele doa suas economias para uma obra de caridade, arruma a mochila e parte rumo à natureza, em busca de uma vida simples. Em sua extraordinária jornada, encontra muitos como ele, pessoas que vivem à margem da sociedade - por opção. Hippies, naturalistas e outras tribos alternativas, além de um ou outro lunático (como o casal de Kopenhagen).

Como não podia deixar de ser, o filme lembra muito o idealismo dos anos 70 (porque hoje em dia é cada um por si e Deus por todos). Com direito a referências ao clássico naturalista de Thoreau, Walden. Que aliás eu li e adorei quando tinha meus 20 anos...Idealismo da juventude? Sem dúvida. Mas também leitura essencial para as mentes questionadoras entre nós. Food for thought. Não percam!

4 comentários:

Cris A. disse...

Nosss, esse filme é demais! Eu assisti pouco depois de ter lido On the Road e Dharma Bums do Kerouac, fez muita diferença.

Eu gostei bastante da trilha, também. O Eddie Vedder escreveu, é muito boa.

Anônimo disse...

Weg van alles, wie wil dat niet zo af en toe?

Maar weg voor altijd?
Ik zou niet weten hoe...

Anônimo disse...

Recomendo Milk do Gus van Sant com o Sean Penn no papel principal. O cara é muiiiito bom.

Bjs,L

kalina morena disse...

eu fiquei meio pirada quando vi esse filme. a busca dele representa tanta dor na familia. . . eh muito complicado tudo isso. e no final ele chega aa conclusao de que a felicidade so eh real quando compartilhada (ele escreve isso). tarde demais, claro.
mas gostei muito do filme. adoro william hurt e o outro povo tambem :-)
Kalina