quarta-feira, julho 21, 2010

Impressões da Tunísia, parte III


Mais uma coisa que me chamou a atenção nesta primeira visita à Tunísia foram as crianças. A começar porque elas lembram demais as crianças brasileiras...principalmente ao vê-las brincando na piscina. Me explico melhor, as crianças holandesas geralmente não vão logo chegando pra brincar com uma criança, mas as da Tunísia (como as crianças brasileiras) sim! Ou seja, aqui em Amsterdã Liam geralmente entra e sai da piscina (ou dos parquinhos) sozinho...Já na Tunísia, apesar de não falarem a mesma língua - as crianças lá falam árabe e aprendem francês na escola - ele se divertiu muito com a criançada! Jogaram bola na piscina, mergulharam e nadaram muito. E quando a coisa ficava complicada e ele tinha de explicar algo, ele me chamava aos gritos pra traduzir em francês pras crianças antes de eles continuarem a brincadeira...As vantagens de ter uma mãe poliglota, hehehe.

Na parte do hotel onde ficamos só tinha famílias árabes então pude conviver um pouco com os locais (só vi turistas holandeses esporadicamente). Depois fiquei sabendo o porquê, é que o hotel é na verdade um condomínio de apartamentos, e muitos são de propriedade de tunísios ricos que alugam durante o verão pra gente da Tunísia e também Algéria e Líbia. Enfim, na parte que fiquei do condomínio só ouvi árabe o tempo todo, intercalado com algumas frases em francês (ao menos francês eu entendo muito bem, deu até pra praticar um pouco a língua). Pensando bem, achei melhor assim. Odeio essas viagens em que as pessoas ficam só entre elas mesmas e estava com medo de ficar cercada de holandeses no hotel...já basta morar na Holanda, não que eu não goste do povo daqui mas nas férias, por favor!

Falei em francês com muitas mulheres muçulmanas, elas foram sempre muito simpáticas comigo e respondiam prontamente minhas perguntas. Por falar em mulheres, outra coisa que me chamou a atenção é que a grande maioria das muçulmanas que vi por lá não usavam véus!!! Isso me deixou impressionada porque aqui em Amsterdã você vê mulheres com véus praticamente o tempo todo (a começar pelas minhas ex-alunas marroquinas e turcas). Uma amiga que esteve em Istanbul falou que lá também quase não se vê mulheres com véu! São jovens que estudam e trabalham na cidade, as mulheres de véu (mais tradicionais) moram em regiões remotas como nas montanhas, por ex. E foram justamente essas mulheres que emigraram em massa com seus maridos para a Holanda nos anos 70. Como consequência, os imigrantes marroquinos daqui são mais tradicionais do que os que moram no Marrocos! Já ouvi isso várias vezes e vale não apenas para os marroquinos como para vários grupos de imigrantes que moram nas capitais européias.

Depois volto com mais estórias pra contar, ainda estou assimilando a semana...



Liam andando de pedalinho na praia.

4 comentários:

Anita disse...

Beth, li uma vez que quando Alemanha e Holanda decidiram la pelos anos 50 a buscar turcos para trabalhar nesses paises, eles fizeram um acordo. A Alemanha iria recrutar trabalhadores turcos nas grandes cidades e a Holanda no interior. Deu no que e o reto a gente ja sabe.
P.S.: acho as criancas holandesas super frias e pouco carismaticas. Quando ainda naa tinha criancas e no supermercado eu sorria pra alguma elas ou desviavam os olhos ou me encaravam emburradas/apaticas.

fefa disse...

Nossa, Beth! Que delícia de viagem! Uma amiga foi à Tunisia no ano passado e voltou apaixonada. Disse que a cultura é incrivel e realmente ela voltou cheia de histórias.

Albuq disse...

Ahhhhh que legal Liam se deu bem nessa viagem, se divertiu, conheceu e brincou com outras pessoas, isso é bom demais.
Que interessante essa das muçulmanas não usarem o véu, fiquei besta! kkk

massa.
bjs

Analice disse...

olá Beth, amo este blog. Sou brasileira também e estou pensando em visitar a Tunisia. Me dê algumas dicas?
beijos

Tecnologia do Blogger.

Impressões da Tunísia, parte III


Mais uma coisa que me chamou a atenção nesta primeira visita à Tunísia foram as crianças. A começar porque elas lembram demais as crianças brasileiras...principalmente ao vê-las brincando na piscina. Me explico melhor, as crianças holandesas geralmente não vão logo chegando pra brincar com uma criança, mas as da Tunísia (como as crianças brasileiras) sim! Ou seja, aqui em Amsterdã Liam geralmente entra e sai da piscina (ou dos parquinhos) sozinho...Já na Tunísia, apesar de não falarem a mesma língua - as crianças lá falam árabe e aprendem francês na escola - ele se divertiu muito com a criançada! Jogaram bola na piscina, mergulharam e nadaram muito. E quando a coisa ficava complicada e ele tinha de explicar algo, ele me chamava aos gritos pra traduzir em francês pras crianças antes de eles continuarem a brincadeira...As vantagens de ter uma mãe poliglota, hehehe.

Na parte do hotel onde ficamos só tinha famílias árabes então pude conviver um pouco com os locais (só vi turistas holandeses esporadicamente). Depois fiquei sabendo o porquê, é que o hotel é na verdade um condomínio de apartamentos, e muitos são de propriedade de tunísios ricos que alugam durante o verão pra gente da Tunísia e também Algéria e Líbia. Enfim, na parte que fiquei do condomínio só ouvi árabe o tempo todo, intercalado com algumas frases em francês (ao menos francês eu entendo muito bem, deu até pra praticar um pouco a língua). Pensando bem, achei melhor assim. Odeio essas viagens em que as pessoas ficam só entre elas mesmas e estava com medo de ficar cercada de holandeses no hotel...já basta morar na Holanda, não que eu não goste do povo daqui mas nas férias, por favor!

Falei em francês com muitas mulheres muçulmanas, elas foram sempre muito simpáticas comigo e respondiam prontamente minhas perguntas. Por falar em mulheres, outra coisa que me chamou a atenção é que a grande maioria das muçulmanas que vi por lá não usavam véus!!! Isso me deixou impressionada porque aqui em Amsterdã você vê mulheres com véus praticamente o tempo todo (a começar pelas minhas ex-alunas marroquinas e turcas). Uma amiga que esteve em Istanbul falou que lá também quase não se vê mulheres com véu! São jovens que estudam e trabalham na cidade, as mulheres de véu (mais tradicionais) moram em regiões remotas como nas montanhas, por ex. E foram justamente essas mulheres que emigraram em massa com seus maridos para a Holanda nos anos 70. Como consequência, os imigrantes marroquinos daqui são mais tradicionais do que os que moram no Marrocos! Já ouvi isso várias vezes e vale não apenas para os marroquinos como para vários grupos de imigrantes que moram nas capitais européias.

Depois volto com mais estórias pra contar, ainda estou assimilando a semana...



Liam andando de pedalinho na praia.

4 comentários:

Anita disse...

Beth, li uma vez que quando Alemanha e Holanda decidiram la pelos anos 50 a buscar turcos para trabalhar nesses paises, eles fizeram um acordo. A Alemanha iria recrutar trabalhadores turcos nas grandes cidades e a Holanda no interior. Deu no que e o reto a gente ja sabe.
P.S.: acho as criancas holandesas super frias e pouco carismaticas. Quando ainda naa tinha criancas e no supermercado eu sorria pra alguma elas ou desviavam os olhos ou me encaravam emburradas/apaticas.

fefa disse...

Nossa, Beth! Que delícia de viagem! Uma amiga foi à Tunisia no ano passado e voltou apaixonada. Disse que a cultura é incrivel e realmente ela voltou cheia de histórias.

Albuq disse...

Ahhhhh que legal Liam se deu bem nessa viagem, se divertiu, conheceu e brincou com outras pessoas, isso é bom demais.
Que interessante essa das muçulmanas não usarem o véu, fiquei besta! kkk

massa.
bjs

Analice disse...

olá Beth, amo este blog. Sou brasileira também e estou pensando em visitar a Tunisia. Me dê algumas dicas?
beijos