quinta-feira, fevereiro 10, 2011

The Job Center: a verdade nua e crua

Agora que o trajeto acabou, eu vou contar a verdade nua e crua. Porque eu não sou boba e tirei minhas próprias conclusões nessas seis semanas de Job Center. Sentem direitinho porque aí vai:



* 80% das pessoas procurando emprego são ESTRANGEIRAS. E veja bem, não me refiro a EUROPEUS e outros cidadãos de primeiro mundo. Me refiro aos cidadãos de segunda classe (terceiro mundo). À minha volta a maioria esmagadora era gente do Suriname e das Antilhas (para os desinformados, ex-colônias holandesas). Soma-se aqui e ali um do Iraque, Paquistão, Chile, Egito, Brasil (esta que vos escreve).

*  80% das pessoas trabalhando no treinamento e nas funções de gerência são HOLANDESES (com nome e sobrenome holandês, tudo bonitinho). O pessoal que nos deu o treinamento, todo pessoal que trabalha nos escritórios. Com exceção do pessoal de limpeza, claro.

* 90% das vagas oferecidas nos bancos de dados de emprego e agências EXIGEM papel. Pode ser um papelzinho qualquer - nem estou falando de diploma universitário - mas tem de ter papel. Então vou tentar arrumar o meu papelzinho...a última notícia do meu gerente é que não estou autorizada a fazer o curso de 1 ano (QUE EU MESMA IRIA PAGAR) porque oficialmente devo estar 100% disponível para começar a trabalhar amanhã. Assunto pra outro post que não estou com a menor vontade de escrever (e nem vou).

* Do meu grupo que começou em dezembro (cerca de 15 pessoas) o único que conseguiu emprego foi um HOLANDÊS. O que significa ainda que o percentual de sucesso deste trajeto é de menos de 10%.

* Para finalizar, a África do Sul foi colonizada pelos holandeses. Que por sua vez instituíram o famoso sistema de apartheid. Entenderam ou querem que eu faça um desenho?

Esta é a verdade nua e crua..e que ouvi da boca de muita gente com sobrenome estrangeiro (mesmo com CV bom, você sempre será o segundo candidato). Se estou com raiva? Não exatamente, estou mais é desiludida mesmo. E prometo não falar mais no assunto. Porque ninguém merece, né?

7 comentários:

Ana disse...

Nossa, deve ser mto dificil mesmo. Aqui no Brasil já passamos por discriminações de todo tipo, tem sempre alguem com melhor preparação, cv, cursos e o famoso QI (quem indica), que passa na nossa frente. Imagine tudo isso em um pais estrangeiro...
Força aí!

Eve disse...

Já ouvi muito isso também: seremos sempre a segunda opção. Estou eu aqui entrando nessa roda viva. Vamos ver o que dá.
Boa sorte por aí.
Bjs!

Palavras Vagabundas disse...

Beth,
não precisa desenhar entendi tudinho!
Desejo sorte e força!
bjs
Jussara

Albuq disse...

Beth, por mais que a caminhada pareça difícil: NÃO DESISTA! bjjssss

Anônimo disse...

Beth, passei por isso em 2004. O CWI é uma ilusão e, infelizmente, um processo obrigatorio, qdo se recebe o salário desemprego. Eu tive inumeras discussões c o cara q me acompanhava pois ele me tratava como idiota, me mandava umas oportunidades de trabalho q nada tinham a ver c meu background. É tudo teatro e infelizmente os funcionarios do CWI parecem q fazem esse trabalho por obrigação. Bati o pé e acabei nas mãos de uma outra pessoa q me deu várias oportunidades interessantes, (reintegratie, opleiding...). O emprego mesmo, não veio deles mas de uma conhecida. O importante na Holanda séc XXI é network. Minha dica: faça contatos(muiiiitos),está provado q os melhores empregos surgem atravez de contatos.

Beijuuuuuus e força,L

Beth Blue disse...

Oi Luca, você está certíssima, sem networking aqui é quase impossível arrumar emprego. Ainda mais eu que estou tentando mudar de área.

Por isso que entrei no LinkedIn, quem sabe aquilo ali me ajuda. Como você bem sabe, sempre trabalhei como freelance então não tenho ex-colegas...e família aqui também não.

Enfim...dias melhores virão.
(obrigada pela força)

Pri Sganzerla disse...

Eu li o post anterior e tb já tinha lido este. Mas sabe que esse assunto me angustia tanto que eu não consegui parar pra escrever?

E continuo não conseguindo porque isso tudo que vc relata me dá um desânimo tremendo! Vontade de chorar... Ah, como eu entendo você... Vivemos num mundo com valores deturpados. Só nos resta não desanimar e continuar seguindo em frente acreditando que a vida não se resume a certas coisas.

Mas não é fácil!!!!

Força! Bjos!

Tecnologia do Blogger.

The Job Center: a verdade nua e crua

Agora que o trajeto acabou, eu vou contar a verdade nua e crua. Porque eu não sou boba e tirei minhas próprias conclusões nessas seis semanas de Job Center. Sentem direitinho porque aí vai:



* 80% das pessoas procurando emprego são ESTRANGEIRAS. E veja bem, não me refiro a EUROPEUS e outros cidadãos de primeiro mundo. Me refiro aos cidadãos de segunda classe (terceiro mundo). À minha volta a maioria esmagadora era gente do Suriname e das Antilhas (para os desinformados, ex-colônias holandesas). Soma-se aqui e ali um do Iraque, Paquistão, Chile, Egito, Brasil (esta que vos escreve).

*  80% das pessoas trabalhando no treinamento e nas funções de gerência são HOLANDESES (com nome e sobrenome holandês, tudo bonitinho). O pessoal que nos deu o treinamento, todo pessoal que trabalha nos escritórios. Com exceção do pessoal de limpeza, claro.

* 90% das vagas oferecidas nos bancos de dados de emprego e agências EXIGEM papel. Pode ser um papelzinho qualquer - nem estou falando de diploma universitário - mas tem de ter papel. Então vou tentar arrumar o meu papelzinho...a última notícia do meu gerente é que não estou autorizada a fazer o curso de 1 ano (QUE EU MESMA IRIA PAGAR) porque oficialmente devo estar 100% disponível para começar a trabalhar amanhã. Assunto pra outro post que não estou com a menor vontade de escrever (e nem vou).

* Do meu grupo que começou em dezembro (cerca de 15 pessoas) o único que conseguiu emprego foi um HOLANDÊS. O que significa ainda que o percentual de sucesso deste trajeto é de menos de 10%.

* Para finalizar, a África do Sul foi colonizada pelos holandeses. Que por sua vez instituíram o famoso sistema de apartheid. Entenderam ou querem que eu faça um desenho?

Esta é a verdade nua e crua..e que ouvi da boca de muita gente com sobrenome estrangeiro (mesmo com CV bom, você sempre será o segundo candidato). Se estou com raiva? Não exatamente, estou mais é desiludida mesmo. E prometo não falar mais no assunto. Porque ninguém merece, né?

7 comentários:

Ana disse...

Nossa, deve ser mto dificil mesmo. Aqui no Brasil já passamos por discriminações de todo tipo, tem sempre alguem com melhor preparação, cv, cursos e o famoso QI (quem indica), que passa na nossa frente. Imagine tudo isso em um pais estrangeiro...
Força aí!

Eve disse...

Já ouvi muito isso também: seremos sempre a segunda opção. Estou eu aqui entrando nessa roda viva. Vamos ver o que dá.
Boa sorte por aí.
Bjs!

Palavras Vagabundas disse...

Beth,
não precisa desenhar entendi tudinho!
Desejo sorte e força!
bjs
Jussara

Albuq disse...

Beth, por mais que a caminhada pareça difícil: NÃO DESISTA! bjjssss

Anônimo disse...

Beth, passei por isso em 2004. O CWI é uma ilusão e, infelizmente, um processo obrigatorio, qdo se recebe o salário desemprego. Eu tive inumeras discussões c o cara q me acompanhava pois ele me tratava como idiota, me mandava umas oportunidades de trabalho q nada tinham a ver c meu background. É tudo teatro e infelizmente os funcionarios do CWI parecem q fazem esse trabalho por obrigação. Bati o pé e acabei nas mãos de uma outra pessoa q me deu várias oportunidades interessantes, (reintegratie, opleiding...). O emprego mesmo, não veio deles mas de uma conhecida. O importante na Holanda séc XXI é network. Minha dica: faça contatos(muiiiitos),está provado q os melhores empregos surgem atravez de contatos.

Beijuuuuuus e força,L

Beth Blue disse...

Oi Luca, você está certíssima, sem networking aqui é quase impossível arrumar emprego. Ainda mais eu que estou tentando mudar de área.

Por isso que entrei no LinkedIn, quem sabe aquilo ali me ajuda. Como você bem sabe, sempre trabalhei como freelance então não tenho ex-colegas...e família aqui também não.

Enfim...dias melhores virão.
(obrigada pela força)

Pri Sganzerla disse...

Eu li o post anterior e tb já tinha lido este. Mas sabe que esse assunto me angustia tanto que eu não consegui parar pra escrever?

E continuo não conseguindo porque isso tudo que vc relata me dá um desânimo tremendo! Vontade de chorar... Ah, como eu entendo você... Vivemos num mundo com valores deturpados. Só nos resta não desanimar e continuar seguindo em frente acreditando que a vida não se resume a certas coisas.

Mas não é fácil!!!!

Força! Bjos!