sábado, junho 30, 2012

Mais filmes recentes

Dark Shadows




Claro que eu tinha de assistir o novo filme do Tim Burton. Tem gente que acha ele um diretor chato eu esquisito, pra mim Tim Burton é um daqueles gênios malucos, quase um visionário. E com um estilo único e muito original. Claro que eu sou suspeita pra falar dos filmes dele porque é um dos meus diretores de cinema favoritos ( junto com Woody Allen, Wes Anderson, Michael Gondry e outros). E sim, claro que eu sou parcial ao dizer que gostei do filme porque pra mim filme ruim de Tim Burton ainda é filme bom! Ao menos se formos comparar com muita porcaria pelas salas de cinema.

Dito isso, o filme é simplesmente hilário. Não chega a ser tão bom como o clássico Edward Scissorhands, o belíssimo Big Fish ou mesmo o dramático Sweeney Todd (que é quase uma ópera). Mas é diversão de primeira categoria. Cenários e costumes de encher os olhos, a conhecida atmosfera gótica e sinistra de seus filmes (e personagens), uma trilha sonoro muito bem escolhida (com direito a participação especial de Alice Cooper).


On the Road



O novo e esperado filme de Walter Salles, um dos mais bem sucedidos diretores do cinema brasileiro (e que na verdade, dispensa apresentações né?). Baseado no livro homônimo (e anotações) de Jack Kerouac, um dos ícones do movimento beatnik. Eu confesso que estudei o movimento nos tempos de Faculdade de Letras (literatura americana) mas na época, a minha viagem era outra. Mas depois de assistir duas horas e meia de filme, fiquei super curiosa pra saber mais sobre a estória por trás desses personagens.

E por falar em duas horas e meia de filme (é isso mesmo), um dos sinais de que um filme é bom é quando você assiste sentado a mais de duas horas de filme e nem vê o tempo passar! Juro que foi assim em On the Road. Os críticos de cinema podem dizer o que quiserem (e ainda são pagos para isso) mas eu achei o ritmo bem homogêneo ou seja, o filme não fica lento ou chato. Ele tem uma consistência e é quase como se você estivesse acompanhando literalmente as aventuras da tela. Comigo pelo menos foi assim.

Aproveitei o embalo e assisti em casa Diários de Motocicleta...Bem interessante a estória de Che Guevara antes de se tornar Che Guevara! Explicando melhor, o filme conta a viagem pela América Latina feita por Ernesto e seu amigo Alberto Granado (que faleceu ano passado). É nessa viagem que ele descobre o seu chamado, que é lutar pela união dos povos da América Latina. Enfim, bem interessante. E engraçado como o filme tem muitas semelhanças com On the Road. Ambos contam as trajetórias de dois revolucionários (cada um à sua maneira) que um dia decidiram colocar o pé na estrada.


Moonrise Kingdom



Este é o mais recente filme do diretor americano Wes Anderson. Um dos diretores mais originais (e esquisitos) que eu conheço. Ele fez entre outros dois filmes que gosto muito: The Royal Tenenbaums e Fantastic Mr. Fox. The Royal Tenenbaums é uma das famílias mais absurdas (leia-se dysfunctional) do cinema americano. E Fantastic Mr. Fox ganhou até prêmio de animação de tão bem feito que é. São dois filmes bem diferentes mas ambos valem (muito) a pena. The Darjeeling Limited também é dele, não é dos melhores mas também não chega a ser ruim. E foi filmado parcialmente na Índia, o que já faz o filme interessante o bastante pra eu assistir.

Voltando ao filme em questão, assisti Moonrise Kingdom com meu filho e quando a sessão terminou o menino disse: mãe, este é o filme mais estranho que já vi em toda a minha vida! E não é pra menos: uma verdadeira coleção de personagens estranhos cada um com suas esquisitices, diálogos inusitados, fotografia como só mesmo Wes Anderson sabe fazer (e que eu adoro). Na minha opinião, não chega a ser tão bom quanto The Royal Tenenbaums mas é bem interessante - com destaque para a fotografia, já que o filme se passa em 1965 e não podia ser, digamos assim, mais vintage.

No mais, cada vez tenho mais certeza de que o cinema de Wes Anderson é apenas para iniciados...Não é qualquer um que sabe apreciar (ou mesmo entender) as "esquisitices" tão características do diretor. Mas são justamente essas esquisitices que fazem dele um dos diretores mais originais do cinema americano. Um daqueles diretores que você ama ou odeia. Eu fico com o primeiro time!


5 comentários:

Paty Michele disse...

Show de bola suas escolhas. Tbm estou louquinha pra ver Sombras da Noite, mas uma amiga falou que era fraquinho (para um Tim Burton), então eu esfriei... mas vou!
Diários de Motocicleta eu vi na época em que estreou e simplesmente amei. É bom ver o quanto nossos heróis são reais.

Um abraço, Beth.

Milena F. disse...

Assisti há anos o Diarios de Motocicleta e gostei muito, depois assisti novamente com omeu marido, que sonha em visitar a America do Sul com uma mochila nas costas!

On the Road eu queria muito ver, mas aqui rolaram uns comentários esquisitos sobre uma cena do filme que dizem que não precisavam ter colocado no filme, que não acrescentou nada, apenas deixou o filme com uma conotação apelativa. Mas se você não tocou no assunto então não deve ser assim tão chocante?
Hoje fui ver Era do Gelo! Passei um excelente momento!

Naty disse...

Oi!
Já vi comentários de que o Sombras da Noite é fraco, mas estou louca pra assistir da mesma forma.
Tem presentinho pra ti lá no blog, viu?! Passa lá ;)

Bejus
http://devaneiosparamim.blogspot.com.br/2012/07/selinho.html

Palavras Vagabundas disse...

Suas sessões de cinema são bem animadas! Adoro Tim Burton e sua atmosfera gótica.
bjs
Jussara

Bel disse...

Vc me deixou babando... Estou em deficit filmográfico e não é eufemismo! Mas já já dou um jeito nisso, deixa só a dengue ir embora de vez!
Também gostei daq ui... Vou voltar! Bjoooo

Tecnologia do Blogger.

Mais filmes recentes

Dark Shadows




Claro que eu tinha de assistir o novo filme do Tim Burton. Tem gente que acha ele um diretor chato eu esquisito, pra mim Tim Burton é um daqueles gênios malucos, quase um visionário. E com um estilo único e muito original. Claro que eu sou suspeita pra falar dos filmes dele porque é um dos meus diretores de cinema favoritos ( junto com Woody Allen, Wes Anderson, Michael Gondry e outros). E sim, claro que eu sou parcial ao dizer que gostei do filme porque pra mim filme ruim de Tim Burton ainda é filme bom! Ao menos se formos comparar com muita porcaria pelas salas de cinema.

Dito isso, o filme é simplesmente hilário. Não chega a ser tão bom como o clássico Edward Scissorhands, o belíssimo Big Fish ou mesmo o dramático Sweeney Todd (que é quase uma ópera). Mas é diversão de primeira categoria. Cenários e costumes de encher os olhos, a conhecida atmosfera gótica e sinistra de seus filmes (e personagens), uma trilha sonoro muito bem escolhida (com direito a participação especial de Alice Cooper).


On the Road



O novo e esperado filme de Walter Salles, um dos mais bem sucedidos diretores do cinema brasileiro (e que na verdade, dispensa apresentações né?). Baseado no livro homônimo (e anotações) de Jack Kerouac, um dos ícones do movimento beatnik. Eu confesso que estudei o movimento nos tempos de Faculdade de Letras (literatura americana) mas na época, a minha viagem era outra. Mas depois de assistir duas horas e meia de filme, fiquei super curiosa pra saber mais sobre a estória por trás desses personagens.

E por falar em duas horas e meia de filme (é isso mesmo), um dos sinais de que um filme é bom é quando você assiste sentado a mais de duas horas de filme e nem vê o tempo passar! Juro que foi assim em On the Road. Os críticos de cinema podem dizer o que quiserem (e ainda são pagos para isso) mas eu achei o ritmo bem homogêneo ou seja, o filme não fica lento ou chato. Ele tem uma consistência e é quase como se você estivesse acompanhando literalmente as aventuras da tela. Comigo pelo menos foi assim.

Aproveitei o embalo e assisti em casa Diários de Motocicleta...Bem interessante a estória de Che Guevara antes de se tornar Che Guevara! Explicando melhor, o filme conta a viagem pela América Latina feita por Ernesto e seu amigo Alberto Granado (que faleceu ano passado). É nessa viagem que ele descobre o seu chamado, que é lutar pela união dos povos da América Latina. Enfim, bem interessante. E engraçado como o filme tem muitas semelhanças com On the Road. Ambos contam as trajetórias de dois revolucionários (cada um à sua maneira) que um dia decidiram colocar o pé na estrada.


Moonrise Kingdom



Este é o mais recente filme do diretor americano Wes Anderson. Um dos diretores mais originais (e esquisitos) que eu conheço. Ele fez entre outros dois filmes que gosto muito: The Royal Tenenbaums e Fantastic Mr. Fox. The Royal Tenenbaums é uma das famílias mais absurdas (leia-se dysfunctional) do cinema americano. E Fantastic Mr. Fox ganhou até prêmio de animação de tão bem feito que é. São dois filmes bem diferentes mas ambos valem (muito) a pena. The Darjeeling Limited também é dele, não é dos melhores mas também não chega a ser ruim. E foi filmado parcialmente na Índia, o que já faz o filme interessante o bastante pra eu assistir.

Voltando ao filme em questão, assisti Moonrise Kingdom com meu filho e quando a sessão terminou o menino disse: mãe, este é o filme mais estranho que já vi em toda a minha vida! E não é pra menos: uma verdadeira coleção de personagens estranhos cada um com suas esquisitices, diálogos inusitados, fotografia como só mesmo Wes Anderson sabe fazer (e que eu adoro). Na minha opinião, não chega a ser tão bom quanto The Royal Tenenbaums mas é bem interessante - com destaque para a fotografia, já que o filme se passa em 1965 e não podia ser, digamos assim, mais vintage.

No mais, cada vez tenho mais certeza de que o cinema de Wes Anderson é apenas para iniciados...Não é qualquer um que sabe apreciar (ou mesmo entender) as "esquisitices" tão características do diretor. Mas são justamente essas esquisitices que fazem dele um dos diretores mais originais do cinema americano. Um daqueles diretores que você ama ou odeia. Eu fico com o primeiro time!


5 comentários:

Paty Michele disse...

Show de bola suas escolhas. Tbm estou louquinha pra ver Sombras da Noite, mas uma amiga falou que era fraquinho (para um Tim Burton), então eu esfriei... mas vou!
Diários de Motocicleta eu vi na época em que estreou e simplesmente amei. É bom ver o quanto nossos heróis são reais.

Um abraço, Beth.

Milena F. disse...

Assisti há anos o Diarios de Motocicleta e gostei muito, depois assisti novamente com omeu marido, que sonha em visitar a America do Sul com uma mochila nas costas!

On the Road eu queria muito ver, mas aqui rolaram uns comentários esquisitos sobre uma cena do filme que dizem que não precisavam ter colocado no filme, que não acrescentou nada, apenas deixou o filme com uma conotação apelativa. Mas se você não tocou no assunto então não deve ser assim tão chocante?
Hoje fui ver Era do Gelo! Passei um excelente momento!

Naty disse...

Oi!
Já vi comentários de que o Sombras da Noite é fraco, mas estou louca pra assistir da mesma forma.
Tem presentinho pra ti lá no blog, viu?! Passa lá ;)

Bejus
http://devaneiosparamim.blogspot.com.br/2012/07/selinho.html

Palavras Vagabundas disse...

Suas sessões de cinema são bem animadas! Adoro Tim Burton e sua atmosfera gótica.
bjs
Jussara

Bel disse...

Vc me deixou babando... Estou em deficit filmográfico e não é eufemismo! Mas já já dou um jeito nisso, deixa só a dengue ir embora de vez!
Também gostei daq ui... Vou voltar! Bjoooo