segunda-feira, junho 30, 2008

Sex and the City, quem diria...

Mal acredito que fui assistir ao badalado Sex and the City no cinema. Pior ainda, a idéia foi do namorado...rsrsrsrsrs. Pra início de conversa, quero deixar bem claro que nunca fui fã da série de tv, muito pelo contrário! Nunca assistia no Brasil e só fui assistir alguma coisa ano passado aqui na Holanda. Basicamente porque sempre achei aquelas mulheres belas, magérrimas, viciadas em sapatos e Prada um saco, pra não dizer frívolas (leia-se vazias) e tolas mesmo...Sempre achei a série uma propagação de estereótipos. Mas estereótipos têm seu fundo de verdade e existem muitas mulheres como Samantha, Carrie, Charlotte e Miranda por este mundo afora (infelizmente, que me desculpem as fãs e peruas de plantão). Mas felizmente existem também muitas outras mulheres que não se identificam com nenhum desses estereótipos. Eu mesma tive - e continuo tendo - dificuldades em me identificar com qualquer uma das quatro amigas, embora tenha tido minha fase Samantha e minha fase Miranda (e admito que de todas elas, sempre achei a Charlotte a mais insuportável...rsrsrsrsr).

Dito isso, agora vou dizer que curti o filme. Curti mesmo, até porque fui sem expectativa nenhuma (o que como regra geral, sempre funciona). Não é um filme excepcional mas consegue manter a atenção do público por 2 horas e 22 minutos, o que já é alguma coisa! E mais, em (quase) nenhum momento temos a sensação de estar assistindo a mais um episódio da série. O roteiro é enxuto e envolve a platéia sem perder o pique. Um roteiro bem-escrito, com estórias e vivências verossímeis. Porque acredite se quiser: você certamente irá identificar alguma daquelas situações em algum momento da sua vida.

Parece irônico...porque embora eu continue achando aquelas quatro amigas um estereótipo do que seria a mulher moderna com sua obsessão por marcas e design, admito que o filme soube captar momentos e sentimentos universais - seja você uma shopaholic ou não!!! Um universo essencialmente feminino com o qual nós mulheres iremos nos identificar. Algumas mais outras menos, isso é bem verdade. No mais, valeu a diversão! Confira você mesma(o).

5 comentários:

Anônimo disse...

Very well put, my dear...
;-)

Annix disse...

Até cogitei assistir se não tivesse mais nada pra ver, mas o trailer me apavorou. Mesmo. É todo daquele jeito?

..."belas" ? o_O

Beth Blue disse...

Anna: Belas foi ironia !!! Acho as peruas magérrimas e um tipo de beleza comum - talvez porque todo mundo queira ser igual e imite aqui e ali. rsrsrsrs. Tô fora, sempre.

E bonita mesmo é a Scarlett! ;-)

Eu não sei, você sabe? disse...

rsrsr!
´Comigo aconteceu muito parecido bethinha. sai da sessão explicando pro carlão, e na verdade pros meus botões, que nunca havia acmonpanhado nada da série porque não rolava a mínima identidade com nenhuma delas, nenhuma. nem sabia que era tão absurda a frivolidade delas, como vc mencionou. Fomos assistir porque aui no inteiror que moro atualemten não é tudo que queremos que vem, sabe...mas eu gostei como eu gostava às vezes que zapeava os canais e de repente estava no meio de um capítulo da ´serie.
beijo tita

Pat Gama-Rosa disse...

Ah eu gostei e já gostava antes pois, como você mesma disse, existe uma Samantha, Miranda e etc dentro de nós em algum momento de nossas vidas. Charlote continua ridiculamente insuportável como sempre, mas exteriorizando essa mania ridícula do americana de denegrir as coisas latinas ao só comer pudim e, conseqüentemente, passar mal!! Meu momento era exatamente aquele da venda do meu apartamento para comprar outro com o namorido e eu passei por todos aqueles estágios de dúvida, dor, sentimento de perda, insegurança...

Tecnologia do Blogger.

Sex and the City, quem diria...

Mal acredito que fui assistir ao badalado Sex and the City no cinema. Pior ainda, a idéia foi do namorado...rsrsrsrsrs. Pra início de conversa, quero deixar bem claro que nunca fui fã da série de tv, muito pelo contrário! Nunca assistia no Brasil e só fui assistir alguma coisa ano passado aqui na Holanda. Basicamente porque sempre achei aquelas mulheres belas, magérrimas, viciadas em sapatos e Prada um saco, pra não dizer frívolas (leia-se vazias) e tolas mesmo...Sempre achei a série uma propagação de estereótipos. Mas estereótipos têm seu fundo de verdade e existem muitas mulheres como Samantha, Carrie, Charlotte e Miranda por este mundo afora (infelizmente, que me desculpem as fãs e peruas de plantão). Mas felizmente existem também muitas outras mulheres que não se identificam com nenhum desses estereótipos. Eu mesma tive - e continuo tendo - dificuldades em me identificar com qualquer uma das quatro amigas, embora tenha tido minha fase Samantha e minha fase Miranda (e admito que de todas elas, sempre achei a Charlotte a mais insuportável...rsrsrsrsr).

Dito isso, agora vou dizer que curti o filme. Curti mesmo, até porque fui sem expectativa nenhuma (o que como regra geral, sempre funciona). Não é um filme excepcional mas consegue manter a atenção do público por 2 horas e 22 minutos, o que já é alguma coisa! E mais, em (quase) nenhum momento temos a sensação de estar assistindo a mais um episódio da série. O roteiro é enxuto e envolve a platéia sem perder o pique. Um roteiro bem-escrito, com estórias e vivências verossímeis. Porque acredite se quiser: você certamente irá identificar alguma daquelas situações em algum momento da sua vida.

Parece irônico...porque embora eu continue achando aquelas quatro amigas um estereótipo do que seria a mulher moderna com sua obsessão por marcas e design, admito que o filme soube captar momentos e sentimentos universais - seja você uma shopaholic ou não!!! Um universo essencialmente feminino com o qual nós mulheres iremos nos identificar. Algumas mais outras menos, isso é bem verdade. No mais, valeu a diversão! Confira você mesma(o).

5 comentários:

Anônimo disse...

Very well put, my dear...
;-)

Annix disse...

Até cogitei assistir se não tivesse mais nada pra ver, mas o trailer me apavorou. Mesmo. É todo daquele jeito?

..."belas" ? o_O

Beth Blue disse...

Anna: Belas foi ironia !!! Acho as peruas magérrimas e um tipo de beleza comum - talvez porque todo mundo queira ser igual e imite aqui e ali. rsrsrsrs. Tô fora, sempre.

E bonita mesmo é a Scarlett! ;-)

Eu não sei, você sabe? disse...

rsrsr!
´Comigo aconteceu muito parecido bethinha. sai da sessão explicando pro carlão, e na verdade pros meus botões, que nunca havia acmonpanhado nada da série porque não rolava a mínima identidade com nenhuma delas, nenhuma. nem sabia que era tão absurda a frivolidade delas, como vc mencionou. Fomos assistir porque aui no inteiror que moro atualemten não é tudo que queremos que vem, sabe...mas eu gostei como eu gostava às vezes que zapeava os canais e de repente estava no meio de um capítulo da ´serie.
beijo tita

Pat Gama-Rosa disse...

Ah eu gostei e já gostava antes pois, como você mesma disse, existe uma Samantha, Miranda e etc dentro de nós em algum momento de nossas vidas. Charlote continua ridiculamente insuportável como sempre, mas exteriorizando essa mania ridícula do americana de denegrir as coisas latinas ao só comer pudim e, conseqüentemente, passar mal!! Meu momento era exatamente aquele da venda do meu apartamento para comprar outro com o namorido e eu passei por todos aqueles estágios de dúvida, dor, sentimento de perda, insegurança...