terça-feira, agosto 05, 2008

Lars and the real girl

E eu devo ser mesmo do contra!!! Não fiquei perdida de amores pelo Batman (sorry Anna) mas por outro lado, adorei o filme Lars and the Real Girl. Um filme do qual eu não esperava absolutamente nada (sempre funciona). Uma comédia-dramática muito boa e sem maiores pretensões. Daquelas que fazem a gente rir e depois chorar. Acima de tudo, daquelas que fazem a gente acreditar na bondade do ser humano. E pra quem acha que estou sendo piegas, assista e confira você mesmo.

O personagem principal é o Lars do título, um rapaz solitário com fobia de relacionamento (ele odeio que o toquem, pra início de conversa) e que um belo dia decide encomendar uma namorada na Internet, para alívio do irmão e da cunhada (que já estavam cansados de tanta esquisitice e preocupados com a saúde sexual e mental do rapaz). Ele encontra sua mulher ideal num site ao estilo www.realdoll.com (a que ponto a humanidade chegou mas tudo bem, cada macaco no seu galho). O mais legal na estória não é a loucura em si do personagem (sem dúvida um paciente psiquiátrico e nem precisa ser psiquiatra pra saber) e sim a reação da comunidade onde ele mora. As pessoas decidem abraçar a loucura dele e respeitá-lo, em vez de internar logo numa instituição para loucos e entupir de drogas (ao estilo Um Estranho no Ninho). Porque ele é louco sim. Mas a origem desta loucura vai sendo desvendada ao longo do filme e você começa a entender cada vez melhor o personagem. Eu não vou contar porque não sou estraga-prazeres, só vou dizer que Lars é um exemplo típico de alguém com posttraumatic stress disorder - em grau avançado! No mais, recomendo para quem gosta de filmes originais com personagens esquisitos. Eu confesso que achei o rapaz fascinante mas eu adoro filme com gente maluca então sou suspeita pra falar...Vale a pena conferir!

4 comentários:

Luca disse...

Ameeeei, está na minha lista de favoritos!

beijuuuuuuus,L

Bebete Indarte disse...

Nihao ma.

Bom, eu vou assistir Kung Fu Panda essa semana. E estou proibida pelo meu ex de mostrar DVD de terror pra Dominique (depois do Fred Kruger).

Mas parece bem legal esse filme, e quero assistir BAtman também...sou fã dos filmes.

Beth Blue disse...

Fred Kruger?!! Coitada da Dominique...Eu dou mais duro aqui em casa, Liam vive choramingando pra assistir Iron Man e agora o Dark Knight mas NO CHANCE! Simplesmente não são filmes pra criança, embora ele tenha assistido Spiderman 1 e 2 com o pai (e depois que o estrago tinha sido feito, comigo).

Pat Gama-Rosa disse...

Eu vi esse filme ano passado (?) e também o achei muito doido, mas um maluco-beleza que se ajeita, né? Vai se curando... O pior é a gente começar a acreditar na maluquice do pessoal com a boneca e começar a sentir a boneca viva!!

Fiquei impressionada com o quanto aquele pessoal gosta do carinha, se não, por que ter todo esse trabalho??

Tecnologia do Blogger.

Lars and the real girl

E eu devo ser mesmo do contra!!! Não fiquei perdida de amores pelo Batman (sorry Anna) mas por outro lado, adorei o filme Lars and the Real Girl. Um filme do qual eu não esperava absolutamente nada (sempre funciona). Uma comédia-dramática muito boa e sem maiores pretensões. Daquelas que fazem a gente rir e depois chorar. Acima de tudo, daquelas que fazem a gente acreditar na bondade do ser humano. E pra quem acha que estou sendo piegas, assista e confira você mesmo.

O personagem principal é o Lars do título, um rapaz solitário com fobia de relacionamento (ele odeio que o toquem, pra início de conversa) e que um belo dia decide encomendar uma namorada na Internet, para alívio do irmão e da cunhada (que já estavam cansados de tanta esquisitice e preocupados com a saúde sexual e mental do rapaz). Ele encontra sua mulher ideal num site ao estilo www.realdoll.com (a que ponto a humanidade chegou mas tudo bem, cada macaco no seu galho). O mais legal na estória não é a loucura em si do personagem (sem dúvida um paciente psiquiátrico e nem precisa ser psiquiatra pra saber) e sim a reação da comunidade onde ele mora. As pessoas decidem abraçar a loucura dele e respeitá-lo, em vez de internar logo numa instituição para loucos e entupir de drogas (ao estilo Um Estranho no Ninho). Porque ele é louco sim. Mas a origem desta loucura vai sendo desvendada ao longo do filme e você começa a entender cada vez melhor o personagem. Eu não vou contar porque não sou estraga-prazeres, só vou dizer que Lars é um exemplo típico de alguém com posttraumatic stress disorder - em grau avançado! No mais, recomendo para quem gosta de filmes originais com personagens esquisitos. Eu confesso que achei o rapaz fascinante mas eu adoro filme com gente maluca então sou suspeita pra falar...Vale a pena conferir!

4 comentários:

Luca disse...

Ameeeei, está na minha lista de favoritos!

beijuuuuuuus,L

Bebete Indarte disse...

Nihao ma.

Bom, eu vou assistir Kung Fu Panda essa semana. E estou proibida pelo meu ex de mostrar DVD de terror pra Dominique (depois do Fred Kruger).

Mas parece bem legal esse filme, e quero assistir BAtman também...sou fã dos filmes.

Beth Blue disse...

Fred Kruger?!! Coitada da Dominique...Eu dou mais duro aqui em casa, Liam vive choramingando pra assistir Iron Man e agora o Dark Knight mas NO CHANCE! Simplesmente não são filmes pra criança, embora ele tenha assistido Spiderman 1 e 2 com o pai (e depois que o estrago tinha sido feito, comigo).

Pat Gama-Rosa disse...

Eu vi esse filme ano passado (?) e também o achei muito doido, mas um maluco-beleza que se ajeita, né? Vai se curando... O pior é a gente começar a acreditar na maluquice do pessoal com a boneca e começar a sentir a boneca viva!!

Fiquei impressionada com o quanto aquele pessoal gosta do carinha, se não, por que ter todo esse trabalho??