terça-feira, julho 12, 2011

Preocupações de viagem

Saara, Rio de Janeiro


Ou melhor dizendo, pânico mesmo. Não necessariamente meu mas do namorado holandês que hoje ao telefone já repetiu pela enésima vez dos cuidados ao andar pelas ruas do Rio. Ele disse que a criminalidade aumentou muito desde a última vez que fui ao Brasil e que não estou mais acostumada com esse tipo de coisa. Provavelmente ele está certo, pois Amsterdã comparado com Rio continua sendo uma vila de pescadores. No mais, todo mundo está careca de saber que criminalidade é um dos maiores problemas do Brasil e de qualquer outro país em desenvolvimento.

Claro que me desacostumei com algumas coisas, eu hoje ando despreocupadamente pelas ruas de noite sem olhar pra trás a cada minuto. Mas gente, eu morei no Rio de Janeiro 23 anos então acho que (ainda) sei como me comportar na cidade.

Enfim, é isso que dá a gente ficar muito tempo sem voltar pra terrinha e decidir um belo dia (com patrocínio de um generoso tio) dar uma de turista e levar o filhote pra conhecer a Cidade Maravilhosa.

Pra piorar, vem o ex-marido contar estórias de taxi pro meu filho. E o menino de repente me vem com a seguinte: mãe, nós não vamos andar de taxi no Rio, né? Resumindo, ex-marido e namorado apreensivos e eu só querendo curtir minhas férias! Verdade que com uma criança louríssima (e branca azeda) do meu lado que não fala português eu tenho de prestar mais atenção...como aprendi na Tunísia ano passado! Fui muito assediada nas medinas (leia mais aqui) porque criança européia chama muita atenção por lá. E mulher sozinha é presa fácil, ainda mais com crianças. Pra terem uma idéia, as pessoas não só olhavam como passavam as mãos no cabelo dele, juro por Deus! Mas não quero nem saber, eu vou passear na Feira de São Cristóvão (Feira Nordestina) no Rio com o meu gringo sim! Só não sei se encaro as ruas do Saara (sozinha eu iria na boa).


Medina de Sousse, Tunísia
Quando eu fui, essas ruelas estavam super movimentadas!


Pra terminar este post pré-viagem, deixo a pergunta pro pessoal do Rio: alguma dica pra quem vem de um vilarejo europeu e desacostumou com a vida nas grandes cidades brasileiras? Porque para padrões brasileiros, Amsterdã é um vilarejo, acreditem.





PS. Daqui a pouco não poderei mais me denominar cidadã do mundo, rsrsrs.

9 comentários:

Line disse...

Bom,eu não sou do Rio mas morei em Niterói e frequentei o Rio diariamente porque trabalhava lá. Eu tive que aprender a andar lá, a prestar mais atenção, porque venho de uma cidade do interior de Minas, e lá quase nada acontece (embora tenha mudado muito nos últimos anos).

Quando vou sozinha fico tranquila, quando vou com o Peter tomo certos cuidados, e o mais importante de tudo é: SEMPRE observar, porque assim pode-se evitar muita coisa.

A segunda dica é: leve o filtro solar (no sentido literal e metafórico) relaxe, e curta as suas férias! Não esquente demais a sua cabeça com coisas desnecessárias!

A gente fica aqui, acabamos nos impressionando demais com as coisas que ouvimos sobre o Brasil, e esquecemos que vivemos maior parte da nossa vida lá - e hoje estamos aqui pra contar a história.

Beijos!

Anônimo disse...

Oi, Beth:
Não acho que os táxis sejam um grande problema - a dica é pegar só os que têm o nome da empresa claramente indicado na lateral (e, de preferência, sempre as firmas de táxi mais conhecidas). Também é uma boa ideia sempre prestar atenção ao nome do motorista (nos documentos que ficam no painel) ao entrar. Nunca tive problemas com táxi. Já o ônibus... acho melhor evitar, a não ser em último caso. Acho que a melhor opção de transporte no Rio é o metrô, que abrange uma área bem maior hoje em dia, é rápido e costuma ser seguro. Também há as vans - dependendo do lugar para onde você quiser ir, elas podem ser uma opção.
Aproveito as idas ao Rio para fazer um pequeno estoque de coisas que são mais (ou muito mais, em certos casos) baratas por lá e trazer de volta comigo. Fique atenta aos preços.
As precauções em geral, acho que você vai tirar de letra :)
No mais, aproveitem bastante! Bjs,
Gi

Palavras Vagabundas disse...

Vá ao pavilhão de São Cristovão na boa, todo mundo lá tá acostumado com gringo loiro. O Saara continua meio tumutuado, mas se você for bem cedo, dá para andar. Agora, atenção - principalmente no centro - é sempre importante, igualzinho quando você morava aqui!
Lembretes: a cidade está se preparando para a Copa e as Olimpíadas, policiamento melhorou, várias favelas estão pacificadas e a Zona Sul em geral é bem segura até para andar a noite.
Bem vinda!
bjs
Jussara

Pat Ferret disse...

Jisuis, salve-me da ingnorânça! Rsrs

Taxi no Rio é 99,9% seguro – basta pegar os de cooperativa. E vc tem uma grande vantagem sobre os turistas no geral: fala português. Taxistas "pirata", que enganam gringos em aeroporto, existem mesmo às pencas, mas dificilmente tentarão te roubar (não mais do que a um brasileiro, digo, pq taxi em aeroporto sempre é mais caro), se vc entrar no carro dizendo às claras, em bom português, aonde quer ir. Pegar taxi em NY, pra onde vou em breve, certamente deve ser bem mais perigoso... Rsrsrsrsrs

Andar na rua é a mesma coisa: ande tranquila, mas segurando bem a alça da bolsa. Trombadinha só rouba quem está distraído, e ladrão "sério" (se é que isso existe), do tipo que anda armado, vai te roubar mesmo que vc ande de armadura.

O pavilhão de São Cristovão é bem policiado mas, se vc se sentir insegura, podemos até ir juntas. Assim nos encontramos e, de sobra, mato a vontade de comprar aquele queijo de coalho dos que só é vendido lá... Rsrsrs

Qqr coisa, me liga que damos jeito!

Milena Fischborn disse...

Estive há 2 anos na feira de São Cristovão e é supertranquilo!!! Mas melhor tomar cuidado ao chegar lá, pois fica perto de uma favela. Na época fomos de metrô até o ponto mais proximo e de lá pegamos um taxi.
Mas engraçado que passamos pela praia do Flamengo (parque?) pois fariamos um passeio de barco que saia de lá, e perguntamos para uns guardas florestais onde ficava o "porto". Mas ficava do outro lado do parque! Agradecemos e saimos, aí eles vieram atras de nós com uns carrinhos como de golf e disseram que eramos loucos de atravessar o parque à pé, era muito arriscado! Então nos levaram até o local de onde saia o barco!

Pat Ferret disse...

Uia... Percebi que assassinei a concordância no final de meu comentário, mas foi por erro de edição enquanto escrevia, não por burrice... Rsrsrs

Por favor, leiam "aquele queijo de coalho dos que só SÃO VENDIDOS lá", pois do jeito que está chega a doer nos ouvidos... ;-)))))))

Anônimo disse...

De onde o Jeff tirou essa estória de q táxi é roubada? Eu só ando de táxi qdo vou pra lá, seguro e barato. Aliás eu adoro bater um papo c os motoristas, sempre escuto ótimas estórias.

Boa viagem e curta bastante a nossa cidade maravilhosa!

Beijuuuuuuuuuus,L

Paula disse...

Sempre aconselho aos amigos a não pegarem os taxis oficiais dos aeroportos (principalmente Stos Dumont), rodoviária e shopping Rio Sul. Taximetros adulterados e fazem caminhos mais longos.

Portanto minha dica é: vá para a área de EMBARQUE do aeroporto/rodoviária/shopping e pegue o taxi de quem estiver chegando (veja porém se tem o nome do ponto ou cooperativa na lateral).

No mais, atenção no calçadão de Copa com celular e máquina fotográfica. Ipanema e Leblon é mais tranquilo e mais bonito.

Aproveite bem as churrascarias, ótimos japoneses, empadinhas, risoles e etc!! HUMM.... (regime nas férias, nem pensar né?!!!)

beijos!

Anônimo disse...

Bethinhaaaa !!

Me liga !! Quero te encontrar !
Estou super ausente dos blogs porque fechei o meu há quase 1 ano, mas tô por aqui ! Me manda seu contato !

Beijosss, Jupis.

Tecnologia do Blogger.

Preocupações de viagem

Saara, Rio de Janeiro


Ou melhor dizendo, pânico mesmo. Não necessariamente meu mas do namorado holandês que hoje ao telefone já repetiu pela enésima vez dos cuidados ao andar pelas ruas do Rio. Ele disse que a criminalidade aumentou muito desde a última vez que fui ao Brasil e que não estou mais acostumada com esse tipo de coisa. Provavelmente ele está certo, pois Amsterdã comparado com Rio continua sendo uma vila de pescadores. No mais, todo mundo está careca de saber que criminalidade é um dos maiores problemas do Brasil e de qualquer outro país em desenvolvimento.

Claro que me desacostumei com algumas coisas, eu hoje ando despreocupadamente pelas ruas de noite sem olhar pra trás a cada minuto. Mas gente, eu morei no Rio de Janeiro 23 anos então acho que (ainda) sei como me comportar na cidade.

Enfim, é isso que dá a gente ficar muito tempo sem voltar pra terrinha e decidir um belo dia (com patrocínio de um generoso tio) dar uma de turista e levar o filhote pra conhecer a Cidade Maravilhosa.

Pra piorar, vem o ex-marido contar estórias de taxi pro meu filho. E o menino de repente me vem com a seguinte: mãe, nós não vamos andar de taxi no Rio, né? Resumindo, ex-marido e namorado apreensivos e eu só querendo curtir minhas férias! Verdade que com uma criança louríssima (e branca azeda) do meu lado que não fala português eu tenho de prestar mais atenção...como aprendi na Tunísia ano passado! Fui muito assediada nas medinas (leia mais aqui) porque criança européia chama muita atenção por lá. E mulher sozinha é presa fácil, ainda mais com crianças. Pra terem uma idéia, as pessoas não só olhavam como passavam as mãos no cabelo dele, juro por Deus! Mas não quero nem saber, eu vou passear na Feira de São Cristóvão (Feira Nordestina) no Rio com o meu gringo sim! Só não sei se encaro as ruas do Saara (sozinha eu iria na boa).


Medina de Sousse, Tunísia
Quando eu fui, essas ruelas estavam super movimentadas!


Pra terminar este post pré-viagem, deixo a pergunta pro pessoal do Rio: alguma dica pra quem vem de um vilarejo europeu e desacostumou com a vida nas grandes cidades brasileiras? Porque para padrões brasileiros, Amsterdã é um vilarejo, acreditem.





PS. Daqui a pouco não poderei mais me denominar cidadã do mundo, rsrsrs.

9 comentários:

Line disse...

Bom,eu não sou do Rio mas morei em Niterói e frequentei o Rio diariamente porque trabalhava lá. Eu tive que aprender a andar lá, a prestar mais atenção, porque venho de uma cidade do interior de Minas, e lá quase nada acontece (embora tenha mudado muito nos últimos anos).

Quando vou sozinha fico tranquila, quando vou com o Peter tomo certos cuidados, e o mais importante de tudo é: SEMPRE observar, porque assim pode-se evitar muita coisa.

A segunda dica é: leve o filtro solar (no sentido literal e metafórico) relaxe, e curta as suas férias! Não esquente demais a sua cabeça com coisas desnecessárias!

A gente fica aqui, acabamos nos impressionando demais com as coisas que ouvimos sobre o Brasil, e esquecemos que vivemos maior parte da nossa vida lá - e hoje estamos aqui pra contar a história.

Beijos!

Anônimo disse...

Oi, Beth:
Não acho que os táxis sejam um grande problema - a dica é pegar só os que têm o nome da empresa claramente indicado na lateral (e, de preferência, sempre as firmas de táxi mais conhecidas). Também é uma boa ideia sempre prestar atenção ao nome do motorista (nos documentos que ficam no painel) ao entrar. Nunca tive problemas com táxi. Já o ônibus... acho melhor evitar, a não ser em último caso. Acho que a melhor opção de transporte no Rio é o metrô, que abrange uma área bem maior hoje em dia, é rápido e costuma ser seguro. Também há as vans - dependendo do lugar para onde você quiser ir, elas podem ser uma opção.
Aproveito as idas ao Rio para fazer um pequeno estoque de coisas que são mais (ou muito mais, em certos casos) baratas por lá e trazer de volta comigo. Fique atenta aos preços.
As precauções em geral, acho que você vai tirar de letra :)
No mais, aproveitem bastante! Bjs,
Gi

Palavras Vagabundas disse...

Vá ao pavilhão de São Cristovão na boa, todo mundo lá tá acostumado com gringo loiro. O Saara continua meio tumutuado, mas se você for bem cedo, dá para andar. Agora, atenção - principalmente no centro - é sempre importante, igualzinho quando você morava aqui!
Lembretes: a cidade está se preparando para a Copa e as Olimpíadas, policiamento melhorou, várias favelas estão pacificadas e a Zona Sul em geral é bem segura até para andar a noite.
Bem vinda!
bjs
Jussara

Pat Ferret disse...

Jisuis, salve-me da ingnorânça! Rsrs

Taxi no Rio é 99,9% seguro – basta pegar os de cooperativa. E vc tem uma grande vantagem sobre os turistas no geral: fala português. Taxistas "pirata", que enganam gringos em aeroporto, existem mesmo às pencas, mas dificilmente tentarão te roubar (não mais do que a um brasileiro, digo, pq taxi em aeroporto sempre é mais caro), se vc entrar no carro dizendo às claras, em bom português, aonde quer ir. Pegar taxi em NY, pra onde vou em breve, certamente deve ser bem mais perigoso... Rsrsrsrsrs

Andar na rua é a mesma coisa: ande tranquila, mas segurando bem a alça da bolsa. Trombadinha só rouba quem está distraído, e ladrão "sério" (se é que isso existe), do tipo que anda armado, vai te roubar mesmo que vc ande de armadura.

O pavilhão de São Cristovão é bem policiado mas, se vc se sentir insegura, podemos até ir juntas. Assim nos encontramos e, de sobra, mato a vontade de comprar aquele queijo de coalho dos que só é vendido lá... Rsrsrs

Qqr coisa, me liga que damos jeito!

Milena Fischborn disse...

Estive há 2 anos na feira de São Cristovão e é supertranquilo!!! Mas melhor tomar cuidado ao chegar lá, pois fica perto de uma favela. Na época fomos de metrô até o ponto mais proximo e de lá pegamos um taxi.
Mas engraçado que passamos pela praia do Flamengo (parque?) pois fariamos um passeio de barco que saia de lá, e perguntamos para uns guardas florestais onde ficava o "porto". Mas ficava do outro lado do parque! Agradecemos e saimos, aí eles vieram atras de nós com uns carrinhos como de golf e disseram que eramos loucos de atravessar o parque à pé, era muito arriscado! Então nos levaram até o local de onde saia o barco!

Pat Ferret disse...

Uia... Percebi que assassinei a concordância no final de meu comentário, mas foi por erro de edição enquanto escrevia, não por burrice... Rsrsrs

Por favor, leiam "aquele queijo de coalho dos que só SÃO VENDIDOS lá", pois do jeito que está chega a doer nos ouvidos... ;-)))))))

Anônimo disse...

De onde o Jeff tirou essa estória de q táxi é roubada? Eu só ando de táxi qdo vou pra lá, seguro e barato. Aliás eu adoro bater um papo c os motoristas, sempre escuto ótimas estórias.

Boa viagem e curta bastante a nossa cidade maravilhosa!

Beijuuuuuuuuuus,L

Paula disse...

Sempre aconselho aos amigos a não pegarem os taxis oficiais dos aeroportos (principalmente Stos Dumont), rodoviária e shopping Rio Sul. Taximetros adulterados e fazem caminhos mais longos.

Portanto minha dica é: vá para a área de EMBARQUE do aeroporto/rodoviária/shopping e pegue o taxi de quem estiver chegando (veja porém se tem o nome do ponto ou cooperativa na lateral).

No mais, atenção no calçadão de Copa com celular e máquina fotográfica. Ipanema e Leblon é mais tranquilo e mais bonito.

Aproveite bem as churrascarias, ótimos japoneses, empadinhas, risoles e etc!! HUMM.... (regime nas férias, nem pensar né?!!!)

beijos!

Anônimo disse...

Bethinhaaaa !!

Me liga !! Quero te encontrar !
Estou super ausente dos blogs porque fechei o meu há quase 1 ano, mas tô por aqui ! Me manda seu contato !

Beijosss, Jupis.