sexta-feira, setembro 09, 2011

Fotos da minha infância

Um dos pontos altos da visita ao Brasil foi que finalmente consegui reaver fotos da minha infância, que eu já considerava perdidas! Eu tinha pedido inúmeras vezes ao meu pai mas ele dizia que não sabia onde estavam, mudou-se várias vezes e eu já tinha desistido...Em Porto Alegre, minha querida tia Irene doou algumas fotos para mim. E depois ainda ganhei uma sacola de fotos do meu pai no Rio. Só nos encontramos uma vez, depois de muita dificuldade em encontrá-lo...enfim, minha relação com meu pai nunca foi grande coisa (eu digo mesmo) e nos últimos anos o que era ruim só piorou. Ele também tem uma família nova há 11 anos (minha mãe faleceu há 12 anos, vejam bem). Uma mulher, duas filhas que praticamente adotou como dele, e mais 10 netos - como ele mesmo diz muito animado. Não deu muita bola pro neto daqui, o viu uma vez e na hora de ir embora, quase esqueceu de se despedir! Estávamos em um grupo com meu tio, primos, meu pai e a esposa, etc. Sem comentários.

Mas chega de tristeza e vamos ao que interessa. O que eu queria mesmo dizer é que aproveitei a ressaca emocional e a minha criatividade pra criar um mini album da minha infância! Como vocês podem imaginar, foi muito terapêutico manusear essas fotos em um processo criativo. Isso é que eu chamo de arteterapia.

Postei o álbum lá no meu blog de scrapbooking, mas deixo aqui umas fotos pra vocês conferirem meu  trabalho:

Capa do álbum

Eu e meu primo Paulo

Amigas inseparáveis no primário

Naomi, minha amiga japonesa

Meus pais


Esta última foto dos meus pais foi tirada em 1981 ou seja, há 30 anos! Desde então muita coisa mudou, o mundo deu voltas (e eu também). Minha mãe faleceu há 12 anos, eu tenho um filho de 11 anos e cá estou eu em Amsterdã fuxicando minhas fotos de infância no Rio de Janeiro.

Detalhe, na foto das amigas inseparáveis, notem a menina de cabelos pretos à esquerda. Ela é a minha amiga Ana Luísa que reencontrei ano passado através do orkut (contei aqui no blog). Nos reencontramos em fevereiro aqui em Amsterdã e passei 3 dias com ela no Rio durante minhas férias. Muito legal, né? A vida tem dessas coisas.




PS. Mais fotos do álbum, aqui.

5 comentários:

.:*Aline*:. disse...

Olá Beth!
Mexer no passado dá uma saudade, né?! Vez em quando eu olho as fotos da minha infância e adolescência.. lembro de tudo o que vivi, tantas histórias para contar.. pessoas que já se foram, outras que não vejo há muito tempo, algumas ainda tão presentes, mas tão diferentes. Enfim, é muito bom acompanhar a nossa evolução.
Bjim

tania disse...

Ah, que fofa aquela com seu amigo Paulo! Como as fotos fazem a gente viajar no tempo, né? Às vezes sentimos que estamos olhando pra outra pessoa ali... o que não deixa de ser verdade, de certa forma. Mas, também sempre existe esse fiozinho de continuidade. E bate nostalgia, saudade, sentimento de perda. Ou enxergamos o que nunca antes havíamos visto naquela pessoa, naquele lugar. Fotografias são isso, né, essa ferramenta, esse transporte...

Beijo

Mikelli disse...

é sempre bom rever fotos da infancia e mesmo que depois as coisas nao tenham sido como a gente espera, é tudo questao de tempo e trabalho psicologico pra "digerir" o acontecido. seu album esta lindo! bjs!

Georgia disse...

Beth, que legal essas suas sessoes de fotos.

Saudade nao tem idade...


Boa semana


Bjao

Angela disse...

Adorei! Infelizmente família nem sempre é do jeito que sonhamos. Acredite, sua família está aí do seu ladinho "filho". Beijos!

Tecnologia do Blogger.

Fotos da minha infância

Um dos pontos altos da visita ao Brasil foi que finalmente consegui reaver fotos da minha infância, que eu já considerava perdidas! Eu tinha pedido inúmeras vezes ao meu pai mas ele dizia que não sabia onde estavam, mudou-se várias vezes e eu já tinha desistido...Em Porto Alegre, minha querida tia Irene doou algumas fotos para mim. E depois ainda ganhei uma sacola de fotos do meu pai no Rio. Só nos encontramos uma vez, depois de muita dificuldade em encontrá-lo...enfim, minha relação com meu pai nunca foi grande coisa (eu digo mesmo) e nos últimos anos o que era ruim só piorou. Ele também tem uma família nova há 11 anos (minha mãe faleceu há 12 anos, vejam bem). Uma mulher, duas filhas que praticamente adotou como dele, e mais 10 netos - como ele mesmo diz muito animado. Não deu muita bola pro neto daqui, o viu uma vez e na hora de ir embora, quase esqueceu de se despedir! Estávamos em um grupo com meu tio, primos, meu pai e a esposa, etc. Sem comentários.

Mas chega de tristeza e vamos ao que interessa. O que eu queria mesmo dizer é que aproveitei a ressaca emocional e a minha criatividade pra criar um mini album da minha infância! Como vocês podem imaginar, foi muito terapêutico manusear essas fotos em um processo criativo. Isso é que eu chamo de arteterapia.

Postei o álbum lá no meu blog de scrapbooking, mas deixo aqui umas fotos pra vocês conferirem meu  trabalho:

Capa do álbum

Eu e meu primo Paulo

Amigas inseparáveis no primário

Naomi, minha amiga japonesa

Meus pais


Esta última foto dos meus pais foi tirada em 1981 ou seja, há 30 anos! Desde então muita coisa mudou, o mundo deu voltas (e eu também). Minha mãe faleceu há 12 anos, eu tenho um filho de 11 anos e cá estou eu em Amsterdã fuxicando minhas fotos de infância no Rio de Janeiro.

Detalhe, na foto das amigas inseparáveis, notem a menina de cabelos pretos à esquerda. Ela é a minha amiga Ana Luísa que reencontrei ano passado através do orkut (contei aqui no blog). Nos reencontramos em fevereiro aqui em Amsterdã e passei 3 dias com ela no Rio durante minhas férias. Muito legal, né? A vida tem dessas coisas.




PS. Mais fotos do álbum, aqui.

5 comentários:

.:*Aline*:. disse...

Olá Beth!
Mexer no passado dá uma saudade, né?! Vez em quando eu olho as fotos da minha infância e adolescência.. lembro de tudo o que vivi, tantas histórias para contar.. pessoas que já se foram, outras que não vejo há muito tempo, algumas ainda tão presentes, mas tão diferentes. Enfim, é muito bom acompanhar a nossa evolução.
Bjim

tania disse...

Ah, que fofa aquela com seu amigo Paulo! Como as fotos fazem a gente viajar no tempo, né? Às vezes sentimos que estamos olhando pra outra pessoa ali... o que não deixa de ser verdade, de certa forma. Mas, também sempre existe esse fiozinho de continuidade. E bate nostalgia, saudade, sentimento de perda. Ou enxergamos o que nunca antes havíamos visto naquela pessoa, naquele lugar. Fotografias são isso, né, essa ferramenta, esse transporte...

Beijo

Mikelli disse...

é sempre bom rever fotos da infancia e mesmo que depois as coisas nao tenham sido como a gente espera, é tudo questao de tempo e trabalho psicologico pra "digerir" o acontecido. seu album esta lindo! bjs!

Georgia disse...

Beth, que legal essas suas sessoes de fotos.

Saudade nao tem idade...


Boa semana


Bjao

Angela disse...

Adorei! Infelizmente família nem sempre é do jeito que sonhamos. Acredite, sua família está aí do seu ladinho "filho". Beijos!