quinta-feira, março 05, 2009

Love is all you need

Agora vamos falar sério, amar é tudo que a gente precisa nesta vida mas não é fácil, hein?!! Na verdade, amar às vezes é bem complicado. E saber amar sem expectativas e sem medo é uma arte. Ainda mais pra quem saiu de um relacionamento muito machucado...É que amar deixa cicatrizes.

Não é à toa que tanta gente tem medo de amar - e sim, eu me incluo neste grupo mas estou aprendendo a amar de novo, apesar do medo. Há quase dois anos o amor bateu na minha porta e me pegou de surpresa, eu que estava muito feliz da vida no meu canto. E desde então meu coração bate mais forte. E eu fico com medo que um dia isso acabe, essa sensação incomparável de plenitute, um sonho realizado, felicidade mesmo. Ainda mais quando é a primeira vez que sentimos isso por alguém. Não no sentido de se apaixonar (porque a gente se apaixona muitas vezes por essa vida afora) mas no sentido de acreditar pela primeira vez que encontramos a nossa cara metade, aquela pessoa que nos completa e nos faz mais feliz do que qualquer outra na face da terra. Dá um medo danado, ainda mais quando confessamos ao amado que nunca sentimos isso antes e ele responde calmamente que ele já. Três vezes até! Durma-se com um barulho desses. Aí a gente entra em parafuso e se deixar, o monstro faz a festa (vide post anterior). Mas pensando bem, o que eu queria se o meu namorado tem 47 anos (bem)vividos e já amou para sempre o que um dia terminou? E ele ainda disse: pena que você só sentiu isso uma vez na vida inteira...Pois é, pena mesmo. Fiquei triste por mim mesma. E por nós dois, de certa forma.

Mas aí a gente respira fundo e pensa: que seja infinito enquanto dure. Porque o amor é assim: pleno mas sem garantias. E precisamos aprender a viver o momento sem nos prendermos ao passado ou ao futuro porque senão a gente pira (eu que o diga, caros amigos). E precisamos acreditar que é para sempre mas sem esperar muito, o que soa como um paradoxo mas assim é o amor: paradoxal. Quem ama sabe disso. E como sabe.

3 comentários:

Lilly disse...

Eu ainda não encontrei um amor mas estou achando as nossas histórias meio parecidas. Eu ainda estou na fase de duvidar do amor, se é que você passou por isso. Mas ler o seu texto me trouxe um pouco de esperança. Adorei o paradoxo. É isso aí!
bjos.

Anônimo disse...

Caro Beth,

47 anos!?
É um homem idoso! ;-)

Bjs,
Alexandro

Maria Valéria disse...

Bethinha,
Larga a mão, muié!!
eu eu que nucna amei?? por enqto, só tive paixões...

como diz uma amiga minha, uma pedra não se lapida numa vida...

Tecnologia do Blogger.

Love is all you need

Agora vamos falar sério, amar é tudo que a gente precisa nesta vida mas não é fácil, hein?!! Na verdade, amar às vezes é bem complicado. E saber amar sem expectativas e sem medo é uma arte. Ainda mais pra quem saiu de um relacionamento muito machucado...É que amar deixa cicatrizes.

Não é à toa que tanta gente tem medo de amar - e sim, eu me incluo neste grupo mas estou aprendendo a amar de novo, apesar do medo. Há quase dois anos o amor bateu na minha porta e me pegou de surpresa, eu que estava muito feliz da vida no meu canto. E desde então meu coração bate mais forte. E eu fico com medo que um dia isso acabe, essa sensação incomparável de plenitute, um sonho realizado, felicidade mesmo. Ainda mais quando é a primeira vez que sentimos isso por alguém. Não no sentido de se apaixonar (porque a gente se apaixona muitas vezes por essa vida afora) mas no sentido de acreditar pela primeira vez que encontramos a nossa cara metade, aquela pessoa que nos completa e nos faz mais feliz do que qualquer outra na face da terra. Dá um medo danado, ainda mais quando confessamos ao amado que nunca sentimos isso antes e ele responde calmamente que ele já. Três vezes até! Durma-se com um barulho desses. Aí a gente entra em parafuso e se deixar, o monstro faz a festa (vide post anterior). Mas pensando bem, o que eu queria se o meu namorado tem 47 anos (bem)vividos e já amou para sempre o que um dia terminou? E ele ainda disse: pena que você só sentiu isso uma vez na vida inteira...Pois é, pena mesmo. Fiquei triste por mim mesma. E por nós dois, de certa forma.

Mas aí a gente respira fundo e pensa: que seja infinito enquanto dure. Porque o amor é assim: pleno mas sem garantias. E precisamos aprender a viver o momento sem nos prendermos ao passado ou ao futuro porque senão a gente pira (eu que o diga, caros amigos). E precisamos acreditar que é para sempre mas sem esperar muito, o que soa como um paradoxo mas assim é o amor: paradoxal. Quem ama sabe disso. E como sabe.

3 comentários:

Lilly disse...

Eu ainda não encontrei um amor mas estou achando as nossas histórias meio parecidas. Eu ainda estou na fase de duvidar do amor, se é que você passou por isso. Mas ler o seu texto me trouxe um pouco de esperança. Adorei o paradoxo. É isso aí!
bjos.

Anônimo disse...

Caro Beth,

47 anos!?
É um homem idoso! ;-)

Bjs,
Alexandro

Maria Valéria disse...

Bethinha,
Larga a mão, muié!!
eu eu que nucna amei?? por enqto, só tive paixões...

como diz uma amiga minha, uma pedra não se lapida numa vida...