sábado, junho 11, 2011

Autismo não é coisa de menina!


Esta semana saiu um artigo muito interessante para quem, como eu, convive diariamente com o autismo. Então aproveitei para colocar um link para o artigo aqui no blog, antes que eu me esqueça. Só lamento informar que o tal artigo é em inglês mas de qualquer forma, vale a pena. A começar porque traz as informações científicas mais recentes sobre o autismo. Sim, porque ele foi publicado na Scientific American.

Uma das questões interessantes é que eles confirmaram mais uma vez o que muitos já sabiam. Autismo não é coisa de menina! Para cada menina com autismo, existem quatro meninos. E isso eu mesma vejo na escola especial do meu filho...a turma dele por exemplo, tem 10 meninos e apenas uma menina! Agora imaginem o assédio, hehehe...

Enfim, o autismo é uma questão bastante complexa e ainda há muito a ser pesquisado. A começar porque existem vários graus do distúrbio (não gosto de usar o termo doença). Algumas crianças tem sérios problemas cognitivos e de aprendizado, outras são super caladas e raramente se comunicam com os outros (nem fazem questão). Aquela imagem clássica do autista que ficou tão conhecida com o filme Rain Man.

Mas o autismo é um espectro - como costumo dizer e repetir - e existe de tudo um pouco. Como meu filho, que é muito social e super comunicativo (tagarela como a mãe) e não tem problemas de aprendizado (e sim dificuldade de concentração).  À primeira vista, uma criança "normal" mas é só ele abrir a bocar e começar a falar de sua última obsessão (no caso, lagartos de todos os tipos e tamanhos) para que os mais observadores percebam que há algo de "estranho". Ele é capaz de falar um dia inteiro somente de lagartos (eu bem sei como é isso, já teve a fase dos dinossauros, das baleias, dos tubarões). E acumula uma quantidade absurda de informações (que ele pesquisa na net). E digo mais, não importa se você se interessa pelo assunto em questão porque ele vai falar de lagartos quer você queira ou não! Com alguma sorte, esta verdadeira coleção de informações servirá para alguma coisa no futuro (mãe sempre torce pela cria). Semana passada mesmo ele falou na classe sobre baardagame e levou até um "espécime" pra mostrar pros coleguinhas. Resultado: agora o apelido dele em toda a escola é menino- lagarto!




Em suma, existem crianças autistas de todos os tipos e personalidades, embora todas tenham algumas características em comum. Uma das mais importantes é a falta de empatia. Mas o que ainda falta descobrir é a origem do autismo, como ele se desenvolve nos genes, por exemplo. Como o diagnóstico de crianças com autismo tem aumentado enormemente nos últimos anos, vem sendo realizadas cada vez mais pesquisas para tentar decifrar este "enigma". E eu procuro me informar o melhor possível, claro.

Pra quem deseja saber mais, recomendo o site The Thinking Person's Guide to Autism, com muitas informações e dicas, foruns de usuários, dicas de livros e filmes, etc.

Quanto aos livros, este mesmo site oferece uma ótima lista de leitura, veja aqui.  Eu mesma já comentei sobre alguns livros que li no blog e deverei escrever um novo post atualizado em breve.

5 comentários:

Glenda Dimuro disse...

Legal Beth vc compartilhar essas coisas. Eu não teho filhos e nem conheço nenhuma pessoa com autismo, mas estou aprendendo muito com vc, principalmente para dismitificar esse disturbio. Muitas vezes somos ingorantes e não enchergamos além do nosso mundinho... acho além de interessante, importante conhecer e aprender de pessoas como vc, a diminuir o preconceito contra pessoas com dificuldades. Como vc mesmo disse, não é nenhuma doença nem nada de outro mundo, apenas um disturbio que pode acontecer com qualquer um. Um beijo e bom domingo! :)

Tucha disse...

Muito interessante o seu compartilhar de experiência. Aprender a conviver amorosamente com a diferença e saber como apoiar o desenvolvimento do filho é sempre o exercício da maternidade.
Tenho uma amiga cujo filho é autista, vou indicar o seu blog e volta e meia vc passar aqui para uma conversa, se vc não se incomodar.

Georgia disse...

Beth, muito bom vc trazer esse tema. Eu mesma nunca vi e nem ouvi de autismo em meninas.È sempre com meninos as histórias.

Meu filho tb tem problema de concentracao. Acredito que muito adulto tb, rs.

Tb uso os cabelos cacheados, mas de vez em qdo para uma festa quero estar diferente. Desta vez foi radical, rs.


Te desejo uma linda semana


Bjao

Bebete Indarte disse...

Pois é, a maoria meninos. Dominique sempre é a única menina da classe. E assim vai vivendo a vida, praticamente sem amigas, isolada, com poucos contatos, mas pelo menos tem alguns, melhor do que nada.

Anônimo disse...

olá,sou mãe novata e assustada nos mundo dos aspergers.tenho um filho adolescente diagnosticado só recentemente.estava a procura de livros,filmes e sei lá mais o que acabei aqui.to meio perdida ainda...

Tecnologia do Blogger.

Autismo não é coisa de menina!


Esta semana saiu um artigo muito interessante para quem, como eu, convive diariamente com o autismo. Então aproveitei para colocar um link para o artigo aqui no blog, antes que eu me esqueça. Só lamento informar que o tal artigo é em inglês mas de qualquer forma, vale a pena. A começar porque traz as informações científicas mais recentes sobre o autismo. Sim, porque ele foi publicado na Scientific American.

Uma das questões interessantes é que eles confirmaram mais uma vez o que muitos já sabiam. Autismo não é coisa de menina! Para cada menina com autismo, existem quatro meninos. E isso eu mesma vejo na escola especial do meu filho...a turma dele por exemplo, tem 10 meninos e apenas uma menina! Agora imaginem o assédio, hehehe...

Enfim, o autismo é uma questão bastante complexa e ainda há muito a ser pesquisado. A começar porque existem vários graus do distúrbio (não gosto de usar o termo doença). Algumas crianças tem sérios problemas cognitivos e de aprendizado, outras são super caladas e raramente se comunicam com os outros (nem fazem questão). Aquela imagem clássica do autista que ficou tão conhecida com o filme Rain Man.

Mas o autismo é um espectro - como costumo dizer e repetir - e existe de tudo um pouco. Como meu filho, que é muito social e super comunicativo (tagarela como a mãe) e não tem problemas de aprendizado (e sim dificuldade de concentração).  À primeira vista, uma criança "normal" mas é só ele abrir a bocar e começar a falar de sua última obsessão (no caso, lagartos de todos os tipos e tamanhos) para que os mais observadores percebam que há algo de "estranho". Ele é capaz de falar um dia inteiro somente de lagartos (eu bem sei como é isso, já teve a fase dos dinossauros, das baleias, dos tubarões). E acumula uma quantidade absurda de informações (que ele pesquisa na net). E digo mais, não importa se você se interessa pelo assunto em questão porque ele vai falar de lagartos quer você queira ou não! Com alguma sorte, esta verdadeira coleção de informações servirá para alguma coisa no futuro (mãe sempre torce pela cria). Semana passada mesmo ele falou na classe sobre baardagame e levou até um "espécime" pra mostrar pros coleguinhas. Resultado: agora o apelido dele em toda a escola é menino- lagarto!




Em suma, existem crianças autistas de todos os tipos e personalidades, embora todas tenham algumas características em comum. Uma das mais importantes é a falta de empatia. Mas o que ainda falta descobrir é a origem do autismo, como ele se desenvolve nos genes, por exemplo. Como o diagnóstico de crianças com autismo tem aumentado enormemente nos últimos anos, vem sendo realizadas cada vez mais pesquisas para tentar decifrar este "enigma". E eu procuro me informar o melhor possível, claro.

Pra quem deseja saber mais, recomendo o site The Thinking Person's Guide to Autism, com muitas informações e dicas, foruns de usuários, dicas de livros e filmes, etc.

Quanto aos livros, este mesmo site oferece uma ótima lista de leitura, veja aqui.  Eu mesma já comentei sobre alguns livros que li no blog e deverei escrever um novo post atualizado em breve.

5 comentários:

Glenda Dimuro disse...

Legal Beth vc compartilhar essas coisas. Eu não teho filhos e nem conheço nenhuma pessoa com autismo, mas estou aprendendo muito com vc, principalmente para dismitificar esse disturbio. Muitas vezes somos ingorantes e não enchergamos além do nosso mundinho... acho além de interessante, importante conhecer e aprender de pessoas como vc, a diminuir o preconceito contra pessoas com dificuldades. Como vc mesmo disse, não é nenhuma doença nem nada de outro mundo, apenas um disturbio que pode acontecer com qualquer um. Um beijo e bom domingo! :)

Tucha disse...

Muito interessante o seu compartilhar de experiência. Aprender a conviver amorosamente com a diferença e saber como apoiar o desenvolvimento do filho é sempre o exercício da maternidade.
Tenho uma amiga cujo filho é autista, vou indicar o seu blog e volta e meia vc passar aqui para uma conversa, se vc não se incomodar.

Georgia disse...

Beth, muito bom vc trazer esse tema. Eu mesma nunca vi e nem ouvi de autismo em meninas.È sempre com meninos as histórias.

Meu filho tb tem problema de concentracao. Acredito que muito adulto tb, rs.

Tb uso os cabelos cacheados, mas de vez em qdo para uma festa quero estar diferente. Desta vez foi radical, rs.


Te desejo uma linda semana


Bjao

Bebete Indarte disse...

Pois é, a maoria meninos. Dominique sempre é a única menina da classe. E assim vai vivendo a vida, praticamente sem amigas, isolada, com poucos contatos, mas pelo menos tem alguns, melhor do que nada.

Anônimo disse...

olá,sou mãe novata e assustada nos mundo dos aspergers.tenho um filho adolescente diagnosticado só recentemente.estava a procura de livros,filmes e sei lá mais o que acabei aqui.to meio perdida ainda...