quinta-feira, setembro 02, 2010

Pra quem gostou de Little Miss Sunshine

Como tenho lido um bocado nas últimas semanas, decidi comentar logo sobre outro livro que gostei muito, The Silver Linings Play Book, o romance de estréia de Matthew Quick. Um livro original e muito legal pra quem gosta de personagens nada convencionais, como a família de Little Miss Sunshine. Ou melhor ainda, como o protagonista do ótimo The Curious Incident of the Dog in the Night-time, de Mark Haddon (mais detalhes aqui).

Em Silver Linings, o protagonista é um paciente psiquiátrico que acaba de voltar pra casa depois de uma longa internação. Embora o livro não forneça um diagnóstico específico, à medida em que você avança a leitura, é possível delinear um perfil. Principalmente pra quem já leu um bocado sobre autismo, como eu. Porque eu posso até estar redondamente enganada, mas Pat tem fortes traços de autismo. Some a isso um temperamento agressivo e temos um prato cheio!

Depois de um acontecimento trágico que ele simplesmente reprimiu para o fundo da memória e do qual nada se lembra, Pat retorna à casa dos pais para tentar reconstruir sua vida. Seu tratamento consiste em sessões de terapia semanais e medicamento. Mas o grande objetivo de sua vida é mesmo refazer a relação com a ex-mulher. O que mais do que um simples objetivo, transforma-se em uma obsessão doentia (até porque, aqui estamos mesmo lidando com doenças mentais). Enquanto isso não acontece, e enquanto ele não arruma emprego, Pat passa seus dias fazendo musculação e correndo. Melhorar sua condição física é outra obsessão, e sempre que se sente inquieto, ele coloca os tênis e sai correndo! Dizem as más línguas que funciona.

Um belo dia ele cruza com Tiffany, outra personagem complexa e castigada pela vida, digamos assim. E desde então ela passa a ser sua companheira de corridas. Os dois estabelecem um vínculo nada convencional, uma amizade de longas corridas e poucas palavras. É que eles se comunicam sem precisar falar muito. E assim nasce uma amizade com chances de se tornar algo mais. Pra quem gosta de ler, mais um livro interessante.

3 comentários:

Leticiabon disse...

ai meu deus, eu gosto de correr...

Lilly disse...

aiaiai... quantos livros!!

Eu gosto de malhar! :-)

Beijos.

Albuq disse...

Bethhhhhhhhhh falou sobre o livro de deixou um quê de curiosidade em "E assim nasce uma amizade com chances de se tornar algo mais"... pronto agora tenho que ler, prá não morrer de curiosidade kkkkk

bjs, ótimo fim de semana viu!

Tecnologia do Blogger.

Pra quem gostou de Little Miss Sunshine

Como tenho lido um bocado nas últimas semanas, decidi comentar logo sobre outro livro que gostei muito, The Silver Linings Play Book, o romance de estréia de Matthew Quick. Um livro original e muito legal pra quem gosta de personagens nada convencionais, como a família de Little Miss Sunshine. Ou melhor ainda, como o protagonista do ótimo The Curious Incident of the Dog in the Night-time, de Mark Haddon (mais detalhes aqui).

Em Silver Linings, o protagonista é um paciente psiquiátrico que acaba de voltar pra casa depois de uma longa internação. Embora o livro não forneça um diagnóstico específico, à medida em que você avança a leitura, é possível delinear um perfil. Principalmente pra quem já leu um bocado sobre autismo, como eu. Porque eu posso até estar redondamente enganada, mas Pat tem fortes traços de autismo. Some a isso um temperamento agressivo e temos um prato cheio!

Depois de um acontecimento trágico que ele simplesmente reprimiu para o fundo da memória e do qual nada se lembra, Pat retorna à casa dos pais para tentar reconstruir sua vida. Seu tratamento consiste em sessões de terapia semanais e medicamento. Mas o grande objetivo de sua vida é mesmo refazer a relação com a ex-mulher. O que mais do que um simples objetivo, transforma-se em uma obsessão doentia (até porque, aqui estamos mesmo lidando com doenças mentais). Enquanto isso não acontece, e enquanto ele não arruma emprego, Pat passa seus dias fazendo musculação e correndo. Melhorar sua condição física é outra obsessão, e sempre que se sente inquieto, ele coloca os tênis e sai correndo! Dizem as más línguas que funciona.

Um belo dia ele cruza com Tiffany, outra personagem complexa e castigada pela vida, digamos assim. E desde então ela passa a ser sua companheira de corridas. Os dois estabelecem um vínculo nada convencional, uma amizade de longas corridas e poucas palavras. É que eles se comunicam sem precisar falar muito. E assim nasce uma amizade com chances de se tornar algo mais. Pra quem gosta de ler, mais um livro interessante.

3 comentários:

Leticiabon disse...

ai meu deus, eu gosto de correr...

Lilly disse...

aiaiai... quantos livros!!

Eu gosto de malhar! :-)

Beijos.

Albuq disse...

Bethhhhhhhhhh falou sobre o livro de deixou um quê de curiosidade em "E assim nasce uma amizade com chances de se tornar algo mais"... pronto agora tenho que ler, prá não morrer de curiosidade kkkkk

bjs, ótimo fim de semana viu!