quarta-feira, dezembro 15, 2010

Facebook nas telas do cinema: Catfish


Antes de conferir o badalado The Social Network, decidi aproveitar a dica de uma amiga e ver Catfish, um documentário polêmico (daqueles que você AMA ou ODEIA). Tanto The Social Network como Catfish lidam com o mesmo tema. Ou seja, as relações virtuais em geral e o fenômeno Facebook em particular.

Porque convenhamos, em pleno século XXI não dá mais pra ignorar a importância dessas relações nas vidas de todos nós. Eu arriscaria até dizer onipotência. O que me faz lembrar o comentário de uma amiga quando disse que eu não tinha Facebook. Ela simplesmente respondeu? então você não existe. E de certa forma, ela está certa. Uma verdade assustadora e intrigante.

Abaixo um trecho de uma ótima resenha que li sobre Catfish:





Facebook – with its more than 500 million users – has helped to usher in a new era of social interaction. With nothing but a picture, a short biography, and a handful of likes and dislikes, it is possible to create an approximation of your actual personality. Factor in the way you interact with friends and family, as well as the links and content you share on your Facebook wall, and suddenly the digital version of you starts to become much clearer. In a sense, it becomes who you actually are, at least to the mind of a stranger.

That’s where Catfish makes its most fascinating discoveries. Search engines like Google have made it infinitely easier and faster to access information. On the flipside, social media has given us the ability to create our own version of reality. So, how can you tell if the person on the other end of your instant message, text, tweet, or wall post is actually who they say they are? What compels us to reach out to strangers online? Can online relationships provide the same level of emotional satisfaction as “real” relationships?

Pra quem ficou curioso, a resenha completa está aqui.

5 comentários:

Anita disse...

Olha, eu nao via o menor interesse em estar no FB mas meses atras criei um perfil la. E' bom mas nao e' tao divino assim. Serve para eu bater um papo com colegas que, francamente, as chance de nos vermos ao vivo e a cores e' praticamente 0. Mas ha taaaaanta coisinha chata e demente, tipo: atualizacoes dos amigos a respeito de joguinhos que eles participam (o tal do Farmville, o coisa infantil) ou "quizzes" que respondem. As pessoas participam de testes e eu fico recebendo as respostas, tais como: Se fulana de tal fosse um dos anoes da branca de neve ela seria o "Feliz", se ela fosse uma mulher sedutora da historia seria "Cleopatra"... Serio ?

Eve disse...

Já me fizeram a mesma pergunta, mas sobre o orkut. E me responderam que eu nao sou uma pessoa sociável, que eu nao existo virtualmente No Brasil, o orkut ainda ganha do facebook.
bjs!

Line disse...

Até pouco tempo eu não tinha faceboo, e quando dizia isso, as pessoas me olhava com um certo ar de reprovação, chegavam a ficar até meio incrédulas!
Eu já fui bastante viciada em Orkut, a ponto de ter que cancelar minha conta pra poder encontrar tempo pra estudar, rs.
Hoje entro de vez em quando no facebook, mas não sou ativa, não. Tenho medo de viciar, rs.

Albuq disse...

Beth, uma coisa tenho de concordar, esse negócio de rede social tomou conta de tudo, até meu pai frequenta, e quando ele chegou aí eu já vi que estava tudo dominado! kkkkk

bjs

Anônimo disse...

Achei mesmo que vc ia gostar do Catfish!

Beijuuuuuuuus,L

Tecnologia do Blogger.

Facebook nas telas do cinema: Catfish


Antes de conferir o badalado The Social Network, decidi aproveitar a dica de uma amiga e ver Catfish, um documentário polêmico (daqueles que você AMA ou ODEIA). Tanto The Social Network como Catfish lidam com o mesmo tema. Ou seja, as relações virtuais em geral e o fenômeno Facebook em particular.

Porque convenhamos, em pleno século XXI não dá mais pra ignorar a importância dessas relações nas vidas de todos nós. Eu arriscaria até dizer onipotência. O que me faz lembrar o comentário de uma amiga quando disse que eu não tinha Facebook. Ela simplesmente respondeu? então você não existe. E de certa forma, ela está certa. Uma verdade assustadora e intrigante.

Abaixo um trecho de uma ótima resenha que li sobre Catfish:





Facebook – with its more than 500 million users – has helped to usher in a new era of social interaction. With nothing but a picture, a short biography, and a handful of likes and dislikes, it is possible to create an approximation of your actual personality. Factor in the way you interact with friends and family, as well as the links and content you share on your Facebook wall, and suddenly the digital version of you starts to become much clearer. In a sense, it becomes who you actually are, at least to the mind of a stranger.

That’s where Catfish makes its most fascinating discoveries. Search engines like Google have made it infinitely easier and faster to access information. On the flipside, social media has given us the ability to create our own version of reality. So, how can you tell if the person on the other end of your instant message, text, tweet, or wall post is actually who they say they are? What compels us to reach out to strangers online? Can online relationships provide the same level of emotional satisfaction as “real” relationships?

Pra quem ficou curioso, a resenha completa está aqui.

5 comentários:

Anita disse...

Olha, eu nao via o menor interesse em estar no FB mas meses atras criei um perfil la. E' bom mas nao e' tao divino assim. Serve para eu bater um papo com colegas que, francamente, as chance de nos vermos ao vivo e a cores e' praticamente 0. Mas ha taaaaanta coisinha chata e demente, tipo: atualizacoes dos amigos a respeito de joguinhos que eles participam (o tal do Farmville, o coisa infantil) ou "quizzes" que respondem. As pessoas participam de testes e eu fico recebendo as respostas, tais como: Se fulana de tal fosse um dos anoes da branca de neve ela seria o "Feliz", se ela fosse uma mulher sedutora da historia seria "Cleopatra"... Serio ?

Eve disse...

Já me fizeram a mesma pergunta, mas sobre o orkut. E me responderam que eu nao sou uma pessoa sociável, que eu nao existo virtualmente No Brasil, o orkut ainda ganha do facebook.
bjs!

Line disse...

Até pouco tempo eu não tinha faceboo, e quando dizia isso, as pessoas me olhava com um certo ar de reprovação, chegavam a ficar até meio incrédulas!
Eu já fui bastante viciada em Orkut, a ponto de ter que cancelar minha conta pra poder encontrar tempo pra estudar, rs.
Hoje entro de vez em quando no facebook, mas não sou ativa, não. Tenho medo de viciar, rs.

Albuq disse...

Beth, uma coisa tenho de concordar, esse negócio de rede social tomou conta de tudo, até meu pai frequenta, e quando ele chegou aí eu já vi que estava tudo dominado! kkkkk

bjs

Anônimo disse...

Achei mesmo que vc ia gostar do Catfish!

Beijuuuuuuuus,L