terça-feira, março 13, 2007

Love for Sale

Uma amiga blogueira me fez refletir sobre esse fenômeno da vida moderna que são os amores virtuais no séc. XXI. Se formos pensar bem, é um marco histórico o que vem acontecendo nos últimos anos. Cada vez mais pessoas se conhecem, se encontram e se casam ou vão morar juntos com a ajuda deste primor tecnológico. Algo que nunca se poderia imaginar meros 20 anos atrás (sem falar que há menos de 10 anos atrás esse tipo de relação ainda era tabu).

Estamos vivendo uma mudança radical no padrão das relações humanas, e não é qualquer um que consegue acompanhar a velocidade dessas relações - porque elas inegavelmente têm outra velocidade, se é que alguém ainda não percebeu isso! A verdade é que, com a velocidade dos e-mails e instant messages do MSN, várias etapas hoje são queimadas de uma vez só (e eu nem vou mais citar o orkut, porque isso todo mundo já sabe). Resultado: em poucas semanas, as pessoas criam uma intimidade que em outros tempos demoraria meses, ou até mesmo anos. Com todas as vantagens e desvantagens decorrentes, fiquem atentos!

Fato é que, atualmente, sites de namoro são mais regra do que exceção. E aqui na Holanda, temos uma vantagem a mais...na maioria das vezes, os homens são diretos e você logo fica sabendo o que eles querem: sexo, casamento e filhos (e não são poucos), amizade ou relacionamento sério. Cá entre nós, por si só um grande avanço, ainda mais se formos comparar com o homem brasileiro (o que aliás daria muito pano pra manga).

Eu admito que não tenho experiência em amores cibernéticos mas já fiz amizades valiosas através da net e portanto, acredito que as possibilidades estejam aí...e que as pessoas podem ou não tirar proveito delas, ao gosto do cliente. Tempos atrás, eu mesma fui na onda de uma amiga e me inscrevi em um desses sites de namoro. Mas não fiquei 1 semana pois logo percebi que ainda não estou preparada para esta etapa assustadora. Porque convenhamos, é impressionante a velocidade com que as pessoas se encontram, se juntam e se separam na net. Haja coração...

4 comentários:

Bebete Indarte disse...

É a modernidade mesmo, não só por "falta de opção" no mundo lá fora, mas porque você acaba entrando pro mundo de uma pessoa, que praticamente jamais você faria parte (espontaneamente).

Eu gostaria de voltar aos velhos tempos momentaneamente pra sentir a diferença de "tempo/ritmo", mas depois dos 40, minha vida social é limitada, e quase não acredito em "propaganda de desodorante e flores"...no meio da rua, ou conversa de "bar" com alguém incrível...

Love for sale, for rent, for qualquer coisa, mas LOVE FOREVER.

Eu não sei, você sabe? disse...

É bethinha, tudo muito rápido e tudo muito direto...nem é tão mal assim:)

menina, não quer participar da historinha que estamos escrevendo a várias mãos?
Gostaria de ver um trechinho vindo de amsterdã...rs

beijos

La Belle® disse...

Bethinha, amores cibernéticos, amizades virtuais, tecnologia de ponta.. Tudo tão perto e ao mesmo tempo tão longe... Nunca me envolvi com ninguém através da telinha, a ponto de marcar um encontro e investir naquela relação virtual x real fora dela. Quando escrevi o texto no meu blog ( e que bom que te inspirou), pensei muito no que ouvia de amigos próximos e em como se doavam e dedicavam seus tempos livres àquela finalidade. Esqueciam de todo o resto, e da importância desse "resto".
Beijocas mil!!

Anônimo disse...

Eu já vivi um amor virtual - foi por chat. Não durou, mas valeu a experiência. Eu me inscrevi em alguns destes sites. É preciso tomar muito cuidado para separar o joio do trigo neles. Tem muito cara que já está com alguém e quer pular a cerca, muito loser, muita gente que não tem nada a ver...mas a internet mada mais é um espelho da vida real, eu acho, e nos permite conhecer pessoas com as quais normalmente não temos contato. bjs, Marcia

Tecnologia do Blogger.

Love for Sale

Uma amiga blogueira me fez refletir sobre esse fenômeno da vida moderna que são os amores virtuais no séc. XXI. Se formos pensar bem, é um marco histórico o que vem acontecendo nos últimos anos. Cada vez mais pessoas se conhecem, se encontram e se casam ou vão morar juntos com a ajuda deste primor tecnológico. Algo que nunca se poderia imaginar meros 20 anos atrás (sem falar que há menos de 10 anos atrás esse tipo de relação ainda era tabu).

Estamos vivendo uma mudança radical no padrão das relações humanas, e não é qualquer um que consegue acompanhar a velocidade dessas relações - porque elas inegavelmente têm outra velocidade, se é que alguém ainda não percebeu isso! A verdade é que, com a velocidade dos e-mails e instant messages do MSN, várias etapas hoje são queimadas de uma vez só (e eu nem vou mais citar o orkut, porque isso todo mundo já sabe). Resultado: em poucas semanas, as pessoas criam uma intimidade que em outros tempos demoraria meses, ou até mesmo anos. Com todas as vantagens e desvantagens decorrentes, fiquem atentos!

Fato é que, atualmente, sites de namoro são mais regra do que exceção. E aqui na Holanda, temos uma vantagem a mais...na maioria das vezes, os homens são diretos e você logo fica sabendo o que eles querem: sexo, casamento e filhos (e não são poucos), amizade ou relacionamento sério. Cá entre nós, por si só um grande avanço, ainda mais se formos comparar com o homem brasileiro (o que aliás daria muito pano pra manga).

Eu admito que não tenho experiência em amores cibernéticos mas já fiz amizades valiosas através da net e portanto, acredito que as possibilidades estejam aí...e que as pessoas podem ou não tirar proveito delas, ao gosto do cliente. Tempos atrás, eu mesma fui na onda de uma amiga e me inscrevi em um desses sites de namoro. Mas não fiquei 1 semana pois logo percebi que ainda não estou preparada para esta etapa assustadora. Porque convenhamos, é impressionante a velocidade com que as pessoas se encontram, se juntam e se separam na net. Haja coração...

4 comentários:

Bebete Indarte disse...

É a modernidade mesmo, não só por "falta de opção" no mundo lá fora, mas porque você acaba entrando pro mundo de uma pessoa, que praticamente jamais você faria parte (espontaneamente).

Eu gostaria de voltar aos velhos tempos momentaneamente pra sentir a diferença de "tempo/ritmo", mas depois dos 40, minha vida social é limitada, e quase não acredito em "propaganda de desodorante e flores"...no meio da rua, ou conversa de "bar" com alguém incrível...

Love for sale, for rent, for qualquer coisa, mas LOVE FOREVER.

Eu não sei, você sabe? disse...

É bethinha, tudo muito rápido e tudo muito direto...nem é tão mal assim:)

menina, não quer participar da historinha que estamos escrevendo a várias mãos?
Gostaria de ver um trechinho vindo de amsterdã...rs

beijos

La Belle® disse...

Bethinha, amores cibernéticos, amizades virtuais, tecnologia de ponta.. Tudo tão perto e ao mesmo tempo tão longe... Nunca me envolvi com ninguém através da telinha, a ponto de marcar um encontro e investir naquela relação virtual x real fora dela. Quando escrevi o texto no meu blog ( e que bom que te inspirou), pensei muito no que ouvia de amigos próximos e em como se doavam e dedicavam seus tempos livres àquela finalidade. Esqueciam de todo o resto, e da importância desse "resto".
Beijocas mil!!

Anônimo disse...

Eu já vivi um amor virtual - foi por chat. Não durou, mas valeu a experiência. Eu me inscrevi em alguns destes sites. É preciso tomar muito cuidado para separar o joio do trigo neles. Tem muito cara que já está com alguém e quer pular a cerca, muito loser, muita gente que não tem nada a ver...mas a internet mada mais é um espelho da vida real, eu acho, e nos permite conhecer pessoas com as quais normalmente não temos contato. bjs, Marcia