segunda-feira, março 14, 2011

Não dá mais pra viver sem ela



Quer dizer que agora é assim? Se não tem na internet, não existe. Concluo, entre aterrorizada e encantada, que o que não está na rede não pode ser dito nem pensado, porque não é. Como se só merecesse crédito o que pode ser varrido pelo Google. A internet, que virou veículo, ganhou poder e credibilidade, pode ainda ser uma coisa desconhecida para um bocado de gente, conhecida para mais um bocado e inacessível para outras tantas. Mas é inegável o papel dela na vida de outro bom bocado que passeia por ela procurando informação, trabalho, diversão, distração, dinheiro, amor, amizade, sexo, drogas, rock’n roll, ingresso para o cinema e receita de bolinho de arroz. Agora, a vida e o além da vida cabem numa tela. Simples assim.
(Crônica da Silmara Franco, o texto inteiro está aqui).

O que, inevitavelmente, me fez lembrar o comentário de uma amiga: Se você não tem Facebook, você não existe! E eu lamento admitir que há um fundo de verdade nessa estória. Eu não tenho Facebook por opção mesmo, mas se não fosse por este querido blog, eu provavelmente também não existiria! Estaria irreparavelmente isolada do mundo aqui no meu canto...um pensamento que me assusta mas que reflete a vida moderna.

E por falar em Facebook, leia também:
The Social Network 
Catfish 
Nossas vidas high-tech
150 amigos? 

 E sim, podem me chamar de ranzinza! rsrsrs...

8 comentários:

Milena Fischborn Costa disse...

Oi Beth
Eh verdade, uma pessoa ou um assunto, se não pode ser encontrado na internet, então é como se não existisse!!!
Mas é claro que temos que tomar cuidado, pois também encontramos tanta besteira que se propaga pela rede, se não triamos, saimos repetindo besteira!!!
Sobre Amsterdam, estarei aí nos dias 14 e 15 de maio. adoraria conhecê-la!!!
Abraços
Milena

http://viverplenamenteparis.blogspot.com/

Dani dutch disse...

OI Beth,
Faz um mês mais ou menos que me cadastrei no facebook, mas o problema de tudo que é que junta tanta coisa que temos que nos virar em 5 pra dar conta da vida virtual e da vida real.
Mas não imagino minha vida sem computador/internet, pois a porcentagem de aproveitamento dela é inumera,como por ex. aprender uma língua, poder nos comunicarmos com o mundo todo, fazer compras, enfim.
E obrigada pelo comentário lá no meu cantinho,
bjuss

Eve disse...

Eu já vi isso sobre o orkut, mas aquilo ali já morreu faz tempo.
Estar conectado é bom, mas sempre com moderação. Como tudo, afinal. ;)
Bjs!

Karol Nascimento disse...

Eu acho meio assustador essa depedência da internet. Eu não tinha facebook, fui obrigada a fazer um. E agora passo o tempo todo explicando o porquê de não ter twitter. Tão louco!!
Beijos

Cida disse...

Tempos modernos!...:))

Realmente, está tudo uma verdadeira loucura. Fico pensando em como vai ser a vida da minha neta quando ela estiver adolescente (ela agora tem 3 anos). Nem sei se vou conseguir acompanhar!...rsrsrs

Beijão pra você e para o filhão.

Fiquem com Deus

Cid@

Pri Sganzerla disse...

Só tenho o blog e às vezes não dou conta! rsrsrs

Agradeço por não precisar de redes sociais pra trabalhar (o trabalho eu queria, as redes sociais não...rs). Eu me recuso a ter Facebook, twitter e afins. Tenho vida, marido, filha, uma existência além da internet pra cuidar, poxa...

Não te acho nada ranzinza! ;-)

Bjos!

Adriana Alencar disse...

Olá, vim retribuir a visita, com um pouquinho de atraso por causa da mudança.
É interessante como a internet tem mudado a nossa vida e, realmente, nada existe sem ela atualmente. Mas, há o lado bom, o de conhecer pessoas como você!
Volte sempre lá no blog, é muito bem vinda!
Estarei passando por aqui!
Beijo
Adri

Silmara Franco disse...

Oi, Beth!
Obrigada por compartilhar meu texto aqui... fiquei feliz! O assunto dá pano pra manga, hein? Quer dizer, pra um traje completo. Eu estou cada vez mais "enredada" na grande rede sem fim. Completamente dependente. Sou uma escrava virtual. Beijos para você, querida.
Silmara Franco

Tecnologia do Blogger.

Não dá mais pra viver sem ela



Quer dizer que agora é assim? Se não tem na internet, não existe. Concluo, entre aterrorizada e encantada, que o que não está na rede não pode ser dito nem pensado, porque não é. Como se só merecesse crédito o que pode ser varrido pelo Google. A internet, que virou veículo, ganhou poder e credibilidade, pode ainda ser uma coisa desconhecida para um bocado de gente, conhecida para mais um bocado e inacessível para outras tantas. Mas é inegável o papel dela na vida de outro bom bocado que passeia por ela procurando informação, trabalho, diversão, distração, dinheiro, amor, amizade, sexo, drogas, rock’n roll, ingresso para o cinema e receita de bolinho de arroz. Agora, a vida e o além da vida cabem numa tela. Simples assim.
(Crônica da Silmara Franco, o texto inteiro está aqui).

O que, inevitavelmente, me fez lembrar o comentário de uma amiga: Se você não tem Facebook, você não existe! E eu lamento admitir que há um fundo de verdade nessa estória. Eu não tenho Facebook por opção mesmo, mas se não fosse por este querido blog, eu provavelmente também não existiria! Estaria irreparavelmente isolada do mundo aqui no meu canto...um pensamento que me assusta mas que reflete a vida moderna.

E por falar em Facebook, leia também:
The Social Network 
Catfish 
Nossas vidas high-tech
150 amigos? 

 E sim, podem me chamar de ranzinza! rsrsrs...

8 comentários:

Milena Fischborn Costa disse...

Oi Beth
Eh verdade, uma pessoa ou um assunto, se não pode ser encontrado na internet, então é como se não existisse!!!
Mas é claro que temos que tomar cuidado, pois também encontramos tanta besteira que se propaga pela rede, se não triamos, saimos repetindo besteira!!!
Sobre Amsterdam, estarei aí nos dias 14 e 15 de maio. adoraria conhecê-la!!!
Abraços
Milena

http://viverplenamenteparis.blogspot.com/

Dani dutch disse...

OI Beth,
Faz um mês mais ou menos que me cadastrei no facebook, mas o problema de tudo que é que junta tanta coisa que temos que nos virar em 5 pra dar conta da vida virtual e da vida real.
Mas não imagino minha vida sem computador/internet, pois a porcentagem de aproveitamento dela é inumera,como por ex. aprender uma língua, poder nos comunicarmos com o mundo todo, fazer compras, enfim.
E obrigada pelo comentário lá no meu cantinho,
bjuss

Eve disse...

Eu já vi isso sobre o orkut, mas aquilo ali já morreu faz tempo.
Estar conectado é bom, mas sempre com moderação. Como tudo, afinal. ;)
Bjs!

Karol Nascimento disse...

Eu acho meio assustador essa depedência da internet. Eu não tinha facebook, fui obrigada a fazer um. E agora passo o tempo todo explicando o porquê de não ter twitter. Tão louco!!
Beijos

Cida disse...

Tempos modernos!...:))

Realmente, está tudo uma verdadeira loucura. Fico pensando em como vai ser a vida da minha neta quando ela estiver adolescente (ela agora tem 3 anos). Nem sei se vou conseguir acompanhar!...rsrsrs

Beijão pra você e para o filhão.

Fiquem com Deus

Cid@

Pri Sganzerla disse...

Só tenho o blog e às vezes não dou conta! rsrsrs

Agradeço por não precisar de redes sociais pra trabalhar (o trabalho eu queria, as redes sociais não...rs). Eu me recuso a ter Facebook, twitter e afins. Tenho vida, marido, filha, uma existência além da internet pra cuidar, poxa...

Não te acho nada ranzinza! ;-)

Bjos!

Adriana Alencar disse...

Olá, vim retribuir a visita, com um pouquinho de atraso por causa da mudança.
É interessante como a internet tem mudado a nossa vida e, realmente, nada existe sem ela atualmente. Mas, há o lado bom, o de conhecer pessoas como você!
Volte sempre lá no blog, é muito bem vinda!
Estarei passando por aqui!
Beijo
Adri

Silmara Franco disse...

Oi, Beth!
Obrigada por compartilhar meu texto aqui... fiquei feliz! O assunto dá pano pra manga, hein? Quer dizer, pra um traje completo. Eu estou cada vez mais "enredada" na grande rede sem fim. Completamente dependente. Sou uma escrava virtual. Beijos para você, querida.
Silmara Franco